Imprimir

Imprimir Artigo

22/11/2021 - 10:56

Mega

Há tempos eu alerto aqui neste espaço para enxurrada de candidatos a deputado estadual que deixam Cáceres sem representação política na Assembleia Legislativa. Porém, após andar a região, descobri algo mais grave. Haverá uma mega enxurrada de candidatos a deputado estadual nas 22 cidades da região sudoeste. Pelas minhas contas, já são cerca de cinquenta. Sabe o resultado né? A região vai ficar sem deputado estadual. Esse fenômeno favorecerá os deputados que já possuem mandato e base eleitoral forte. O pior é que essa situação deve se repetir também com as candidaturas a deputado federal. Já contabilizei ao menos vinte na região. O risco de perdemos a cadeira em Brasília também é real.
 
Origem
 
Você deve estar se perguntando. Mas porque isso está acontecendo? Por conta do fim das coligações e ambição humana. Gente vaidosa que só pensa em si e não no coletivo. Essa é a parte nojenta da política. Do rico ao pobre, a maioria dos políticos tem esse pensamento. Eu particularmente cansei de ver isso e muito em breve, se Deus permitir, vou deixar esse ambiente doentio.
 
PDT
 
Neste sábado, 27, por exemplo, encerro minha missão como presidente do PDT de Cáceres. Iremos eleger o procurador jurídico da Águas do Pantanal, Alexandre Quida, para presidir o Diretório Municipal pelos próximos dois anos. Continuarei filiado e apoiando os companheiros. Porém irei me afastar por um período por questões profissionais e de estudo. Além disso, estamos executando um projeto no Ceará que deve entrar em operação em 2023.
 
Surpresa
 
A ida de Marcelo Fleixo e Flavio Dino do PC do B para o PSB foi uma jogada de mestre que vai refletir nas eleições nacional e nos estados e favorecerá o ex-presidente Lula (PT). Ocorre que Flavio Dino é o nome mais cotado para vice de Lula. Com a verticalização federal, isso colocará o PSB de Max Russi no palanque do PT em Mato Grosso. E não será só o PSB, o PP de Blairo Maggi está noivado com Lula. Analistas políticos experientes já vislumbram um quadro surpreendente. Se Bolsonaro for para o PL de Wellington e fechar com O União Brasil, o governador Mauro Mendes deve pular para o PSB e também pedir votos para Lula, enquanto que os Campos, Júlio e Jayme, vão se juntar ao rebanho e tomar uma sova do barbudinho já no primeiro turno. Esse alinhamento pode gerar prejuízos para acordos já fechados como é o caso do deputado federal doutor Leonardo (SD), que até o momento tem o apoio da prefeita de Cáceres, Eliene Liberato Dias que é do PSB. Mas, se o PSB fechar com Lula e o SD de Leonardo for com Bolsonaro, esse acordo vai para o espaço.
 
Peroba
 
Olha, outra razão para eu estar deixando a política devagarinho, foi um episódio que aconteceu na semana passada. O considerado advogado Nestor Fidelis, que coordenou uma campanha ferrenha contra a prefeita Eliene Liberato Dias (PSB), em favor do seu sogro Paulo Donizete e do ex-prefeito Francis Maris (PSDB), em pré-campanha para deputado estadual, tentou furar a agenda da prefeita semana passada para fazer um vídeo e postar nas redes sociais. Foi barrado na porta do gabinete. Parabéns a ‘amiga veia’ que é política mas tem vergonha na cara. Por falar em Nestor, parte das lideranças que ele está arrebanhando em Cáceres foram as responsáveis pela derrota do finado Adriano Silva para deputado estadual. Adriano arrebentou de votos na região e deixou essa galera para cuidar de Cáceres. Advinha? teve míseros 4 mil votos. Ainda em relação ao Toi, se o ex-prefeito Francis Maris (PSDB), resolver ser candidato a deputado estadual, seu sogro, que tomou uma surra para prefeito, vai trabalhar para ele o para o ‘cabeça branca, o dono da lancha?
 
Vamos rir
 
Outro dia fui a reinauguração da Escola São Francisco na zona rural de Cáceres. Lá me diverti com duas situações protagonizadas pelo vice-prefeito Odenilson Silva (Republicanos) e pelo deputado federal doutor Leonardo (SD). Na primeira, Odenilson, discursando para uma plateia formada na maioria por estudantes, perguntou que profissão eles queriam ter no futuro. As crianças, do sitio, ficaram acanhadas e não responderam. Sem graça, ele fez uma última pergunta. Quem aqui quer ser prefeito? Só Kishi levantou a mão. Por fim, juntei Leonardo e Odenilson e fiz uma brincadeira com o deputado federal. Falei para o Leonardo: ‘cuidado com o coco’. A galera caiu na risada. Coco ou coquinho é o apelido de infância do vice-prefeito de Cáceres que é pré-candidato a deputado federal, concorrente de Leonardo.
Imprimir