Notícias / Cidade

17/11/2020 - 09:56 | Atualizado em 18/11/2020 - 09:17

Hospital São Luiz e Médico Alexandre Garcia Dalbem são condenados a indenizar por erro médico

Por Jornal Oeste

Ilustração

 (Crédito: Ilustração)
O juízo da 2ª Vara Cível da Comarca de Cáceres de titularidade do Juiz Pierro de Farias Mendes condenou o Hospital São Luiz e o Médico Alexandre Garcia Dalbem a pagarem,  solidariamente, indenização por danos morais, danos materiais e lucros cessantes aos filhos e marido da vítima Maria Mathias Leite Pinto (dona Nilda como era conhecida) que faleceu em decorrência do erro médico.

Segundo os autos a paciente com 58 anos de idade foi internada para realizar um procedimento chamado de CPRE a fim de retirar uma pedra na vesícula, porém o arco cirúrgico não funcionou e mesmo assim o médico realizou o procedimento perfurando a paciente no duodeno.

O médico já foi condenado por erro médico no CFM de medicina já transitado em julgado e por homicídio culposo, sendo que este último encontra-se em fase e recurso.

O processo tramita em segredo de justiça nesta comarca sob código 153011.

Censura
 
Em maio do ano passado o médico cacerense Alexandre Garcia Dalbem foi condenado por unanimidade pelo Conselho Federal de Medicina a CENSURA PÚBLICA EM PÚBLICAÇÃO OFICIAL, por erro médico que causou a morte da dona casa Maria Mathias Leite Pinto, em janeiro de 2012.

O CFM entendeu que o médico foi imprudente ao realizar procedimento chamado CPRE sem o auxílio do Arco Cirúrgico, aparelho imprescindível para esse tipo de cirurgia e negligente mesmo ciente da gravidade da paciente e das dificuldades de como ocorrera seu procedimento, não segue rigorosamente no pós-operatório.

Conforme informações colhidas pelo Jornal Oeste, a conduta errada do profissional acarretou a perfuração do duodeno da paciente, que foi diagnosticada pelo Médico Cervantes Caporossi em Cuiaba.

A representação no conselho de classe foi protocolada pelo avogado Wagner Leite da Costa Pinto filho da vítima e Emerson Pinheiro Leite.

Wagner acrescenta que a condenação não aliviará a dor da perda prematura de sua mãe, mas serve para mostrar a população brasileira, em especial a de Cáceres, que erros médicos precisam ser denunciados.

O acórdão da condenação foi publicado no Diário Oficial da União em 11 de abril de 2019, onde já transitou em julgado.

Hospital São Luiz

Nota

Trata-se de demanda ajuizada em razão de fatos ocorridos antes do ingresso da atual gestão do Hospital São Luiz, passível de recurso judicial.

Comentários

inserir comentário
2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por Fabi, em 18.11.2020 às 06:45

    Me lembro muito bem da dona Maria e do seu Zezinho, no mercado são José na talhamares, ela sempre muito sorridente, vaidosa, gentil, simpática, a perda dela foi muito triste pra todos nós clientes. Que esse tipo de erros sirvam de licao para outros médicos, que com vida não se brinca, tenham mais amor pela profissão e pelo paciente por favor!

  • por Júlia, em 17.11.2020 às 13:03

    Isso ocorre mais do q imaginamos erro médico, porém aqui em Cáceres eles s protegem e para conseguir provar alguma coisa é difícil, os hospitais dificultam a retirada de documentos e infelizmente entrar com advogados o custo é alto para s tentar fazer justiça. Muitos morrem por negligência por médicos incompetentes.

 
Sitevip Internet