Notícias / Saúde

05/04/2020 - 07:44

Santa Cruz de La Sierra registra 14 casos de coronavírus em um dia

Por Eduardo Gomes – Boamidia

Ilustração

 (Crédito: Ilustração)
Mato Grosso tem 983 quilômetros de fronteira com a Bolívia, país com 11 milhões de habitantes e uma área pouco menor que o Pará. Neste sábado, 4, no vizinho país andino, as autoridades sanitárias revelaram a existência de 157 casos positivos do novo coronavírus, sem registro de óbitos, segundo o ministro da Saúde, Aníbal Cruz.
 
Na Bolívia não há cotaminação comunitária e os casos são considerados importados – pessoas infectadas que contraíram a doença em contato com outros, no exterior. Porém, ontem, 4, houve aumento de 18 casos, o que acendeu  luzes amarelas em La Paz.

Desse registro, 14 foram em Santa Cruz de la Sierra, onde é intensa a presença de brasileiros matriculados em faculdades, sobretudo em cursos de Medicina, e de agricultores – parte desse pessoal reside em Mato Grosso.


Aqui, Vila Bela da Santíssima Trindade, lá, a Bolívia

A fronteira da Bolívia com o Brasil tem 3.400 quilômetros. Começa em Corumbá (MS) prossegue por Mato Grosso e Rondônia terminando na cidade de Brasileia, no Acre, separada de Cobija, pelo rio Acre. A parte mato-grossense mede 730 quilômetros em solo firme e 253 quilômetros por águas internacionais, nos municípios (sentido Sul/Norte) de Poconé, Cáceres, Porto Esperidião, Vila Bela da Santíssima Trindade e Comodoro.

Em caso de proliferação do vírus no país vizinho, o Brasil não conseguiria isolar  Mato Grosso completamente. É intenso o tráfego formiguinha de pessoas nos dois sentidos, tanto por rodovias como pelas  cabriteiras – picadas no cerrado. De ambos lados moram famílias formadas por casais binacionais, os chamados brasilianos (brasileira com boliviano) e bolivieiros (bolivianas com brasileiros).

Nos municípios da fronteira e na faixa de fronteira há bolivianos nas cidades e zona rural; do lado oposto se repete essa internacionalização, muito embora a Bolívia não permita que brasileiro tenha propriedade rural num raio  de 50 quilômetros da fronteira. No presídio em Cáceres – polo da região – parte da população carcerária feminina é formada por bolivianas presas em operações de combate ao narcotráfico – são as chamadas mulas, que transportam drogas de um para o outro país.
 
Por sorte, por enquanto,  não há notificação de casos do vírus nos municípios de ambos os lados da fronteira, onde não existe infraestrutura hospitalar na Bolívia e em Mato Grosso.

Comentários

inserir comentário
0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet