Notícias / Cidade

03/06/2019 - 06:48

Prefeito não apoia catadores e ainda passa a persegui-los

Por Muvuca Popular

Diretoria da Cooperativa Mista do Desenvolvimento de Cáceres (Coomdec) afirma que a gestão municipal não cumpre a Lei Federal 12.305, que determina as prefeituras e governos apoiarem cooperativas e associações de catadores, mas ao invés disso, persegue e não dá condições para que eles trabalhem no município.

“Todas as prefeituras e governos tem que dar apoio às cooperativas e associações de catadores. Fato esse que não ocorreu em Cáceres e em vários outros municípios, mas aqui na cidade fizeram totalmente ao contrário da lei. Eles fizeram o desmonte das cooperativas já existentes”, relatou o diretor da cooperativa, Francisco da Silva.

Inclusive, em fevereiro os associados da Coomdec foram despejados da sua sede, por decisão da promotora da pasta do Meio Ambiente, Liane Amelia Chavesé. O que acabou trazendo mais prejuízos ao meio ambiente, pois a Prefeitura descartou os materiais que estavam no local em ambiente inadequado.

Entretanto, apesar de não conseguirem apoio na cidade de origem, o grupo fechou parceria com a Prefeitura de Porta Esperidião, pois a gestão de lá compreendeu a importância do trabalho que é feito pelos catadores.
“O prefeito de Porto Esperidião nos convidou e abrimos lá uma filial, que já está funcionando há 60 dias tendo oito catadores, sendo que o nosso objetivo é chegarmos ao número de 20 pessoas trabalhando na cooperativa”, informou o diretor.

Conforme Francisco, na cidade os catadores serão responsáveis pela coleta seletiva e também pela compostagem de resíduo sólido, que será usado como adubo orgânico e será disponibilizado aos sitiantes da região.

Através da coleta de lixo e sua venda para reciclagem, os catadores realizam um serviço de utilidade pública, uma vez que diminuem a quantidade de materiais, os quais, se descartados, ocupariam aterros e lixões, aumentando o volume de resíduos e diminuindo a vida útil desses espaços destinados ao descarte.

Estes trabalhadores se encarregam da coleta, separação, transporte de resíduos sólidos, que antes eram apontados como inúteis, agora é considerado mercadoria.

Comentários

inserir comentário
5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por José de Deus, em 03.06.2019 às 16:35

    Noticia é mentirosa e tendenciosa a denegrir a imagem da Prefeitura Municipal... a Coomdec teve suas atividades suspensas por determinação da justiça, após uma ação do Ministério Público Estadual, porque a cooperativa não cumpria a legislação... a Prefeitura não tem nada a ver com a interdição das atividades!!!!

  • por Paulo Renato, em 03.06.2019 às 15:26

    Sinceramente! Na verdade a prefeitura foi obrigada a remover aquele lixão do Da Silva. Visto que por não pagar o aluguel o mesmo por força de ordem jurídica deveria desocupar o local. Sempre dando uma vitima pra as malandragens de sempre. Esse Da Silva e gênio.

  • por Tibúrcio junco pantaneiro, em 03.06.2019 às 14:27

    O problema é que em Cáceres está proíbido trabalhar, quem trabalha vive sendo perseguido.

  • por Masculino, em 03.06.2019 às 13:01

    Este Paulo deve ser um babaca do prefeito pós se o lugar não era adequado culpa da mesma(prefeitura)

  • por Paulo Felipe, em 03.06.2019 às 08:37

    Entretanto.... Qual a motivação da interferência do Meio Ambiente??? Lembro-me do local onde era feito a separação dos recicláveis... Nada mais era do que um pequeno lixão a céu aberto, com sacos plásticos voando para toda vizinhança, poluição visual e barracão inadequado para esse tipo de trabalho... Cumprir normas ambientais NÃO É PERSEGUIÇÃO...

 
Sitevip Internet