Notícias / Politica

06/05/2017 - 07:08 | Atualizado em 06/05/2017 - 07:14

Evo promete priorizar asfalto ligando Bolívia à Cáceres

Por Thiago Andrade | Gcom-MT

Enviar para um amigo Imprimir

Maria Anffe/Gcom

 (Crédito: Maria Anffe/Gcom)
Em encontro nesta sexta-feira (05.05) com o presidente da Bolívia, Evo Moraes, o governador Pedro Taques defendeu a pavimentação da rodovia que liga San Matias a San Ignácio. Os pouco mais de 300 quilômetros são considerados pelo governo como essencial para a integração regional. Evo destacou que a pavimentação da rodovia será tratada como prioridade. 

Em abril de 2016, o Governo de Mato Grosso realizou a Caravana da Integração, que saiu de Cuiabá e cruzou o caminho até o Oceano Pacífico mostrando as dificuldades para a exportação da produção. O trecho entre San Matias e San Ignácio é o mais complicado da travessia. Evo disse estar convencido da necessidade de integração. 

"Mato Grosso é o estado brasileiro responsável por 28% da produção nacional. Temos interesse nestas relações para que possamos comprar o gás da Bolívia com um contrato firme, queremos comprar a ureia. Mas é importante também, eu não posso perder a oportunidade de falar da ligação de Mato Grosso com o Departamento Autônomo de Santa Cruz, com a pavimentação dos 315 quilômetros entre San Matias a San Ignácio", argumentou o governador. 

Taques disse que como exemplo da importância da pavimentação, ele já conversou com o presidente da República Michel Temer e o chanceler do Brasil, ministro Aloísio Nunes, para debater o tema no Brasil, de forma que o governo brasileiro possa colaborar de alguma forma na concretização da obra. "Estamos distantes, mas essa distância precisa ser superada porque o povo brasileiro tem um carinho especial pelo povo boliviano e temos certeza que a recíproca é verdadeira", disse Taques ao presidente boliviano. 

Em sua fala sobre a pavimentação da rodovia, Evo afirmou que acredita na integração dos países da América do Sul e ressaltou que a Bolívia tem interesse em alcançar o Oceano Atlântico e a passagem por Mato Grosso. Segundo Evo, Brasil e Bolívia são povos irmãos e precisam trabalhar conjuntamente. Sobre a proposta da rodovia, disse que a Bolívia tem a intenção de fazer um corredor bioceanico, com Peru, Paraguai e Uruguai. 

Além disso, o presidente boliviano disse que deseja fazer uma ligação bioceanica passando por San Matias, Riberalta e Guayaramerin. Segundo Evo, esse é um projeto que é esperado há muito tempo pelos povos da Bolívia e do Brasil. 

Ao fim da reunião, o governador Pedro Taques esteve com o governador do Departamento Autônomo de Santa Cruz, Rubén Aguilera, que também defende a pavimentação e integrou a Caravana da Integração no ano anterior. Na oportunidade, Taques convidou o governador para participar do Festival Internacional de Pesca de Cáceres e para visitar as obras da Zona de Processamento de Exportação (ZPE), cujo as obras serão iniciadas neste sábado (06.05).

Gás

Buscando atender às necessidades de gás para Mato Grosso, o governador Pedro Taques defendeu um aumento no volume de gás diário enviado para o estado. Para ele, é necessário um contrato com volume seguro para o funcionamento da termelétrica, e fornecimento do Gás Nacional Veicular (GNV) para o funcionamento de indústrias e grandes empreendimentos mato-grossenses. A comitiva brasileira foi recebida pelo presidente da Bolívia, Evo Morales, em Santa Cruz de la Sierra, nesta sexta-feira (05.05).

Na ocasião, o governador Pedro Taques e o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, assinaram memorando de entendimento para estreitar as relações comerciais, sobretudo para a importação de gás natural e ureia produzida no país vizinho. O ministro de Hidrocarburos da Bolívia, Luis Sánchez, assinou o memorando como representante do Governo boliviano.

Taques defendeu um contrato sem interrupção entre a estatal boliviana YPFB e o MT Gás para a importação de 4 milhões de metros cúbicos por dia. Atualmente, não há um contrato firme que determina o volume a ser importado por Mato Grosso. Segundo o governador, do total, 2,2 milhões de metros cúbicos atenderiam a usina termelétrica e o restante seria para atender o abastecimento de veículos, indústrias e o mercado local.

"Um primeiro ponto que precisamos é um contrato firme. Também temos que ter um volume suficiente para atender a termelétrica de Cuiabá, para que ela possa realizar suas atividades", defendeu o governador de Mato Grosso.

Em seguida, ele manifestou a possibilidade de uma parceria entre o MT Gás e a estatal boliviana YPFB, sendo sócias na distribuição do gás natural em Mato Grosso. "Isso pode ajudar que possamos fazer em nosso estado a distribuição, temos o interesse nisso", disse.

Os dois governadores brasileiros lembraram que a Petrobras, maior exportadora do gás boliviano, deve comprar menos gás a partir de 2019, por conta da nova estratégia da empresa. Com isso, parte do volume que hoje é comprada pela empresa ficaria disponível para novas negociações, justamente estes volumes que Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul buscam conseguir para garantir o abastecimento de seus mercados.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, avaliou positivamente a proposta do governador Taques para se associar a Mato Grosso. Ele ainda destacou os investimentos realizados pelo Governo boliviano, que fez a produção de gás dobrar, tendo o Brasil como o maior parceiro comercial do gás que excede.

Evo Morales lembrou ainda que a Bolívia faz divisa com diversos estados brasileiros e busca uma integração ainda maior com o país, em especial com Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Ressaltou a necessidade de iniciar o acordo logo, porque é algo que só começa a ser concretizado alguns anos depois.

Já o ministro de Hidrocarburos, Luis Sánchez, ressaltou que a Petrobras tem preferência na aquisição do excedente do gás nacional boliviano. Então, precisa ter certeza do volume que a empresa brasileira deve comprar para poder fazer a comercialização do restante.

O deputado federal Fábio Garcia pediu que essa negociação seja feita brevemente. Para ele, é necessário colocar a Petrobras e o Governo para negociar aquilo que a empresa não vai precisar. "Todos nós sabemos que essas negociações demoram e Mato Grosso tem urgência nisso", completou.

Para dar seguimento no memorando assinado, foi montado um grupo de trabalho, em que o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ricardo Tomczyk, representará Mato Grosso. A próxima reunião será no dia 22 de junho deste ano, em Florianópolis (SC). 

Comentários

inserir comentário
0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet