Notícias / Direto da Fonte

29/12/2016 - 11:57

Mesa

Por Da Redação

Enviar para um amigo Imprimir
A disputa pela presidência da Câmara de Vereadores Cáceres segue acirrada. A tendência é que ela fique polarizada entre os vereadores Domingos dos Santos (PSB) e Claudio Henrique Donadoni (PSDB). Apesar do esforço do vereador de primeiro mandato Zé Eduardo Torres (PSC), ele não deve conseguir reunir os votos suficientes especialmente depois que durante a semana veio à tona que ele responde um processo de improbidade administrativa da época em que foi secretário de Obras, da gestão Túlio Fontes (PSB). A Coluna ouviu dois juristas para saber se uma eventual condenação poderia impedir o vereador, se eleito presidente da Câmara, de assumir a prefeitura em substituição ao prefeito Francis Maris (PSDB). Um disse que sim e outro não. Já os outros dois candidatos a presidente da base governista, Valter Zacarkim (PTB) e Rubens Macedo (PTB), que são do mesmo partido, não estão conseguindo convencer os colegas em torno dos seus nomes. Rubens tem tido resistência porque defende o aumento da Verba Indenizatória, já que o aumento dos salários não foi aprovado este ano. A eleição está marcada para domingo, 1, a partir das 19h, no Ginásio da Cidade Universitária da Unemat.
 
Predestinado
 
O ex-prefeito de Cáceres Túlio Fontes (PSB), conhecido no meio político da cidade por ser predestinado, deve ter a fama confirmada ainda este ano. É que ele deve assumir como deputado federal, caso seja confirmada a nomeação do suplente José Augusto Curvo –Tampinha- (PSD), nos Correios. Isso pode acontecer porque o segundo suplente Xuxu Dal Molin (PSC) de Sorriso, deverá assumir o rodizio da bancada por seis meses a partir de janeiro, restando o segundo semestre para Túlio, o terceiro suplente. Isso se confirmando será um ganho para Cáceres e região já que há vários projetos parados em Brasília precisando de uma ação mais contundente.
 
Senador
 
Em se tratando de sorte, o prefeito reeleito de Cáceres, Francis Maris (PSDB), não fica para traz. Uma série de acontecimentos que estão por vir podem transformá-lo de um dia para a noite em candidato a senador pelo PSDB de Mato Grosso em 2018. Isso pode acontecer caso os nomes dos deputados Guilherme Maluf (PSDB) e Nilson Leitão (PSDB), sejam aniquilados pelos escândalos de corrupção que estão tomando conta dos noticiários do Estado. Se virar candidato a senador, Francis deverá enfrentar nada menos que os ex-governadores Carlos Bezerra (PMDB), Jayme Campos (DEM), Blairo Maggi (PP) e o vice-governador Carlos Fávaro (PSD).

Comentários

inserir comentário
1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por Otimista, em 30.12.2016 às 12:01

    A candidatura de Francis para Deputado Federal é a mais favorável.

 
Sitevip Internet