Notícias / Mato Grosso

20/11/2016 - 11:54

PM diz que declaração de conselheiro é "infeliz e descabida"

Por Midia News

Enviar para um amigo Imprimir

Marcus Mesquita/MidiaNews

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Gley Alves (Crédito: Marcus Mesquita/MidiaNews)

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Gley Alves

A Polícia Militar divulgou nota, na manhã deste domingo (20), considerando “infeliz e descabida” a declaração dada pelo conselheiro substituto do Tribunal de Contas do Estado, Moisés Maciel, ao MidiaNews.
 
Em entrevista ao site, em razão do Dia da Consciência Negra – celebrado neste domingo -, Maciel questionou a baixa presença de negros nos altos escalões do serviço público. Segundo o conselheiro, em geral os negros do setor “estão na PM, matando outros negros”.
 
“Consideramos a afirmação infeliz e descabida pois depõe contra os honrados policiais que arvoram dia após dia, em todos os postos e graduações, a bandeira de servir e proteger mesmo com o risco da própria vida”, diz a nota da PM.
 
“Tal afirmação também depõe contra os próprios negros, integrantes dos nossos quadros e que nos enchem de orgulho, na medida em que, literalmente, os calunia imputando fato definido como crime”, segue a nota.
 
O texto diz ainda que, em 181 anos, a Polícia Militar foi comandada por diversos negros. “Atualmente muitos oficiais negros desempenham funções essenciais no Estado de Mato Grosso como, por exemplo, o Secretário Chefe da Casa Militar e o Comandante Regional 1, todos distantes da conduta de matar outros negros”.
 
Leia a nota na íntegra:
 
A Polícia Militar do Estado de Mato Grosso é uma Instituição que se orgulha de sua história em defesa do povo matogrossense e dos incontáveis feitos heróicos de seus militares em defesa da vida.
 
E, em nome do Comandante Geral da Polícia Militar, é com grande pesar (e surpresa) que tomamos conhecimento da declaração do Sr. Moisés Maciel, Conselheiro Substituto do Tribunal da Contas de Mato Grosso, ao afirmar que “os negros do setor público estão na PM, matando outros negros”.
 
Consideramos a afirmação infeliz e descabida pois depõe contra os honrados policiais que arvoram dia após dia, em todos os postos e graduações, a bandeira de servir e proteger mesmo com o risco da própria vida. Anonimamente, os nossos policiais, negros ou não, estão salvando vidas e protegendo a nossa sociedade de forma ininterrupta.
 
Tal afirmação também depõe contra os próprios negros, integrantes dos nossos quadros e que nos enchem de orgulho, na medida em que, literalmente, os calunia imputando fato definido como crime.
 
Em 181 anos de existência, a Polícia Militar do Estado de Mato Grosso foi comandada por diversos negros. Atualmente, muitos oficiais negros desempenham funções essenciais no Estado de Mato Grosso como, por exemplo, o Secretário Chefe da Casa Militar e o Comandante Regional 1, todos distantes da conduta de matar outros negros. É interessante observar ainda que no Comando Regional 1, circunscrição de Cuiabá, comandada por um negro, ocorreu no ano de 2016 uma redução de 9% dos homicídios em relação ao ano anterior.
 
A Polícia Militar não faz acepção de pessoas para o ingresso em seus quadros e nem nas ações de polícia. Combatemos o crime e não o criminoso. Desconhecer isso é desconhecer a realidade da atividade policial militar desenvolvida no Estado de Mato Grosso.
 
Por fim, reiteramos, em nome do Comandante Geral da Polícia Militar, o compromisso da Instituição com a vida, com o valoroso povo matogrossense e com vida, com o valoroso povo matogrossense e com a lei.
 
Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional da PMMT
 
Sitevip Internet