Notícias / Cidade

20/11/2016 - 11:27

Não há remédio para picada de cobra em Araputanga

Por Folha de Araputanga

Enviar para um amigo Imprimir

Ilustração

 (Crédito: Ilustração)
Estatística divulgada pelo Ministério da Saúde demonstra que 87 pessoas perderam a vida, no Estado de Mato Grosso, entre os anos 2000 a 2015 após picadas de serpentes venenosas.
 
O número crescente de vítimas no território matogrossense, pode ser  ainda maior, pois, os registros referentes aos  anos 2013 (4 mortos), 2014 (4 mortos) e, 2015 (2 mortos) aparecem sujeitos a alteração. Em todo o Brasil, nos dezesseis anos demonstrados na estatística oficial, 1720 pessoas foram a óbito, picados por cobras.
Embora não haja pronunciamento das autoridades federais da Saúde e, sequer dos políticos, que deveriam representar o povo nas questões de interesse público,  o número de vítimas seguramente vai aumentar a partir de 2015, porque o estoque de soro não está sendo devidamente reposto.

 QUADRO DESESPERADOR

Desde 2015 a falta de reposição do estoque de soro contra picadas de cobras é objeto de preocupação dos profissionais da Saúde local e regional; a falha governamental no ato de repor o estoque de soro passou a ser objeto de comentários entre a população de Araputanga e região, principalmente a partir da morte do Senhor Zedequias Borges de Oliveira, que picado por uma cascavel, supostamente teria recebido, no primeiro momento, apenas cinco ampolas de soro para neutralizar o veneno da serpente, quando necessitaria de até 12 ampolas. Oliveira faleceu no dia 26 de outubro, aos 35 anos.

RISCO

Trabalhadores e famílias que residem na Zona Rural, podem estar em sério risco de vida, se alguém for picado por serpente venenosa. Consta que no dia 08 de novembro/16 Valtair Alves de Souza Júnior, 29 anos, foi picado por uma Jararaca, enquanto pescava no Ribeirão das Pitas; mais uma vez, não havia soro suficiente no Hospital da cidade e, a culpa não é dos médicos, nem mesmo das autoridades municipais da Saúde araputanguense.
 
NÃO HÁ SORO
 
Documentos obtidos pela reportagem atestam que em outubro a Secretaria Municipal de Saúde de Araputanga solicitou através do pedido nº 1956234 o fornecimento de 10 ampolas de soro antibotrópico (pentavalente), porém, a Nota de Fornecimento de Material”  registra que o Município recebeu apenas 5 (cinco) doses das dez solicitadas. O produto não é pago, chega gratuitamente aos municípios custeados pelo Ministério da Saúde.
 
O ESTOQUE
 
Se não há medicação em estoque é certo que a população está em risco.  Neste mês (novembro), o Escritório Regional de Saúde de Cáceres, não tem soro disponível para atender às solicitações dos Municípios; o próximo lote de soro deve chegar na cidade polo  (Cáceres), no início de dezembro.  No momento Araputanga tem seu estoque zerado para o soro antibotrópico, pois, no dia 15 de novembro, foram utilizados seis ampolas do produto, em favor de uma pessoa no município de Indiavaí-MT. No estoque, apenas 8 (oito) ampolas do soro crotálico.
 
QUE DEUS NOS PROTEJA
 
Os médicos e profissionais da Saúde em Araputanga estão de mãos atadas e praticamente nada podem fazer hoje (17), se receberem algum paciente necessitando de soro antibotrópico; a fé em Deus (firme recurso dos povos antigos), pode ser  posta à prova, como teste particular para qualquer pessoa que for vítima de serpente venenosa, pelos próximos vinte dias e, que Deus proteja seu povo.

Comentários

inserir comentário
1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por desconhecido, em 07.12.2016 às 12:00

    absurdo falta de humanidade e falta de planejamento...E nosso País esta cada vez pior... E se um parente de um político for picado ai ele vai morrer...

 
Sitevip Internet