Notícias / Saúde

18/08/2009 - 00:00

Cliente não terá mais acesso direto a remédio em farmácia

Por Jornal Oeste

Do UOL Ciência e Saúde* Em São Paulo A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a nova relação de produtos que podem ser vendidos em farmácias e drogarias. A Instrução Normativa está publicada na edição desta terça-feira (18) do Diário Oficial da União. Agora, apenas os funcionários das farmácias terão acesso direto aos medicamentos. Segundo a instrução, os remédios fitoterápicos (derivados de plantas), os administrados por via dermatológica e aqueles sujeitos a notificação simplificada (como a água oxigenada, por exemplo) poderão continuar ao alcance do público. Os estabelecimentos terão prazo de seis meses para se adaptar. O descumprimento das determinações constitui infração sanitária. A resolução prevê também que somente as farmácias e drogarias abertas ao público poderão realizar vendas por telefone e pela internet. E agora farmácias e drogarias poderão oferecer serviços como a aferição de pressão arterial e aplicação de injeção. De acordo com a norma, fica liberada nas farmácias e drogarias a comercialização de medicamentos, plantas medicinais, drogas vegetais, cosméticos, perfumes, produtos de higiene pessoal, produtos médicos e para diagnóstico in vitro. As plantas medicinais serão privativas de farmácias comuns e fitoterápicas, observados o acondicionamento adequado e a classificação botânica. Entre os produtos permitidos estão os que podem ser usados sem risco por leigos em ambientes domésticos, conforme especificação definida pela Anvisa. Entre os produtos para diagnóstico in vitro, fica permitida a comercialização apenas dos produtos para autoteste. A venda de mamadeiras, chupetas, lixas de unha, alicates, p