Artigos / Dirceu Cardoso Gonçalves

12/05/2017 - 10:16

Operação 100 Dias corta o caminho do crime

Enviar para um amigo Imprimir
            A Operação 100 Dias, realizada pelas polícias militares é o novo instrumento que as corporações estaduais vêm empregando para melhorar a segurança da população e tornar mais tranquila a vida da comunidade. A simples presença das equipes nos principais corredores de circulação afasta os malfeitores e melhora o dia-a-dia e as chances de convivência das pessoas. É a vigilância executada como garantidora da liberdade de ir e vir do cidadão e inibidora daqueles que cometem delitos e, por isso, precisam ser contidos pelas forças do Estado.

            A operação em São Paulo, como define o comandante-geral, cel. Nivaldo César Restivo, é pautada em um dinamismo prático e moderno e tem como metas a tranqüilidade da população e o enfrentamento de delitos patrimoniais, especialmente o roubo e o latrocínio. É realizada concomitantemente nos importantes corredores de circulação da capital e do interior com ações de presença, saturação e visibilidade. Nela atuam os diferentes grupamentos da corporação – policiamento de choque, de transito rodoviário e urbano e radiopatrulhamento aéreo – integrados com outras forças de segurança. É o formato encontrado para impedir que os criminosos cheguem e consigam se evadir com o produto de furto ou armas que normalmente utilizam para subjugar suas vítimas.

            Através dessas operações, que procuram interferir o menos possível na rotina da população e atua sobre os sinais de anormalidades, a polícia consegue proteger o cidadão, seus negócios e sua família. Tanto afugenta os malfeitores quanto prende em flagrante os que insistem em praticar roubos e, não raras vezes, manter cativas suas vítimas subjugadas no veículo ou nas conhecidas saidinhas de bancos. Executa-se aquilo que todo policial sabe: a abordagem que dispensa quem não tem irregularidades e, em contrapartida positiva, tira de circulação os praticantes de delitos.

            Dentro desse movimento e em operações que unem as polícias militares de todos os estados, especialmente os fronteiriços, busca-se a excelência na segurança pública. O crime cresceu muito nas últimas décadas e exige ações especializadas para o seu enfrentamento. A instituição policial militar tem dado mostras de seu compromisso com a sociedade. Mas é importante que, além de oferecer condições de trabalho às corporações, os governos federal, estadual e até o municipal têm o dever de desenvolver políticas que combatam o crime. Antes de ser caso de polícia, o crime é um gravíssimo problema social...
Dirceu Cardoso Gonçalves

por Dirceu Cardoso Gonçalves

Tenente – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)
+ artigos

Comentários

inserir comentário
0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet