Artigos / Aline Leon

21/11/2014 - 12:45

Homens pelo fim da violência contra as mulheres

A Campanha Laço Branco, iniciou diante do massacre de mulheres ocorrido no Canadá no dia 6 de dezembro de 1989, um rapaz de 25 anos (Marc Lepine) invadiu uma sala de aula da Escola Politécnica, na cidade de Monteral. 

Ordenando que os homens (aproximadamente 48) se retirassem da sala, permanecendo somente as mulheres. Gritando: “você são todas feministas!?”, esse homem começou a atirar enfurecidamente e assassinou 14 mulheres, à queima roupa. Em seguida, suicidou-se. O rapaz deixou uma carta na qual afirmava que havia feito aquilo porque não suportava a ideia de ver mulheres estudando engenharia, um curso tradicionalmente dirigido ao público masculino.

O crime mobilizou toda a opinião pública, gerando amplo debate acerca da “ desigualdade de gênero” existente  aquela época e até nos dias atuais.  Nessa mobilização homens indignados com tamanha crueldade e  preconceito, se uniram para mostrar ao mundo que existem homens que pensam equivocadamente desta maneira, porém  existem homens que repudiam esse tipo de atitude, assim elegeram o laço branco como símbolo da campanha e  adotaram como lema: jamais cometer um ato violento contra as mulheres e não fechar os olhos frente a essa violência.

No Brasil, algumas iniciativas começaram a ser delineadas em 1999. Com objetivo de ampliar cada vez mais a rede, em 2001 foi realizado o lançamento oficial da campanha, promovendo diferentes atividades, entre elas: distribuição de laços brancos, camisetas e folhetos informativos, realização de eventos públicos, caminhadas, debates, oficinas temáticas, entrevistas para jornais e revistas, coleta de assinaturas e termos de adesão à campanha etc. Essas atividades foram desenvolvidas em parceria com diferentes instituições, particularmente organizações do Movimento de Mulheres.

É fato que uma campanha ajuda na reflexão e a informar a população acerca da violência contra a mulher, porém, tal instrução tem que vir desde o berço, com educação que nós mulheres não merecemos quaisquer tipo de tratamento ofensivo, agressivo, não por sermos mulheres e sim porque nenhum ser humano deve ser desrespeitado e sim tratado com  respeito e educação, pautados  na ética e princípios de convivência e respeito mútuo, sem diferenciação de gênero, raça, credo.

Mulheres não se calem, a quaisquer tipos de violência, seja  ela verbal, física, psicológica, financeira,  além de existir um lei que lhe garanta esses direitos, existem  entidades  que poderão lhe auxiliar a sair desse ostracismo psicológico e assim recomeçar uma nova vida longe do agressor.

1)- central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 – funciona 24 horas por dia, de segunda à domingo, inclusive feriados.
A ligação é gratuita e o atendimento é de âmbito nacional.
2)- Delegacia Especializada da Mulher  Cáceres
Av. Getulio Vargas nº 90 Centro - localizado no antigo Hotel Capri - Cáceres / MT - CEP 78.200-000 -
Fone Fax: (65) 3223-5257/0348/ 3224- 1160
Email: dedmcac@pjc.mt.go.br
Aline Leon

por Aline Leon

é advogada em Mato Grosso. E-mail: gomesleonadvocacia@gmail.com
 
+ artigos

Comentários

inserir comentário
0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet