Jornal Oeste

Cáceres, Segunda-Feira, 6 de Julho de 2020

Artigos / Gabriel Novis Neves

24/08/2014 - 09:18

Judeus x Palestinos

O mundo assiste impávido, como se estivesse vendo uma corrida de Fórmula 1, a guerra de forças desiguais entre judeus e palestinos. 
 
Como defensor intransigente da paz entre os povos não entendo o silêncio e a indiferença das Organizações Mundiais da Paz e as milhares de ONGS que na mídia lutam pelo fim dos conflitos. 
 
Um massacre terrível! Civis são as maiores vítimas, e entre eles crianças, mulheres e idosos. 
 
O que fazem essas caríssimas instituições além de angariar polpudos recursos para as suas inúteis reuniões? 
 
O povo da Faixa de Gaza está sendo dizimado por tropas poderosas judaicas, e centenas de foguetes são lançados sobre Israel, interceptados, na maioria das vezes, pela alta tecnologia israelense. 
 
Será que esses conflitos armados, causadores de tanta destruição e miséria, são incentivados e executados pelo poderio econômico da indústria bélica que precisa faturar? 
 
Nestes últimos dez anos parte da Ásia está sendo destruída. Vidas humanas trocadas pelas riquezas naturais, especialmente o ouro negro, existente em abundância em seus territórios. 
 
Com a globalização  ninguém mais pode dizer que vive em segurança no planeta Terra. 
 
O avião de passageiros da Malásia abatido por um moderno míssil lançado da terra em seu espaço aéreo é a prova que a paz desapareceu do nosso Universo. 
 
As grandes potências mundiais (o Brasil está excluído desse seleto grupo) passam o ano todo em reuniões, parece que discutindo guerras em vez da paz, para a felicidade dos fabricantes de armamento. 
 
Nem o presidente da maior potência mundial, cujo discurso eleitoreiro tinha como um dos patamares a redução de armamento, conseguiu sequer a redução de poder de armas mais corriqueiras, usadas, inclusive, indiscriminadamente por todo e qualquer cidadão. 
 
Enquanto isso, um míssil mata de uma só vez cerca de cem cientistas holandeses que se deslocavam para a Austrália, tentando salvar vidas em um Congresso Internacional sobre a AIDS. 
 
Felizes dos países que ainda conseguem viver em seus pequenos quintais sem forças armadas e com aceitável Índice de Qualidade de Vida. 
 
A humanidade sempre foi cruel, e a história não é favorável ao nosso passado cheio de atrocidades. 
 
No passado longínquo, porém, tínhamos mais ilhas de paz. 
 
Como aldeia global em que foi transformado o mundo, sofremos com as agressões injustas nos pontos mais distantes de nós. 
 
Continuaremos escravos daqueles que detém o dinheiro do mundo. 
 
A eles tudo será permitido, inclusive, destruir civilizações com cobertura em tempo real da televisão. 
Gabriel Novis Neves

por Gabriel Novis Neves

Médico e ex-reitor da UFMT
+ artigos

Comentários

inserir comentário
0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet