Artigos / José Ricardo Menacho

08/02/2021 - 10:22

Natalino Ferreira Mendes VIVE!

Nossos nomes também fazem parte de nossas experiências e aventuras por este chão. Marcam nossa identidade. Uma identidade que está para além dos documentos, dos registros e dos papéis. Para além de nossa certidão de nascimento. Uma identidade que é construída no coletivo, a partir de nossas relações e práticas com o outro, com a diversidade. É pelo nome que somos chamados. Ou pelo apelido, que não deixa de ser um nome. Pode até ser mais curto, às vezes curioso, mas, como eu disse [e repito], não deixa de ser um nome. É pelo nome que nos reconhecemos no mundo, que vamos formando o nosso “eu”, estabelecendo as fronteiras de nossos corpos e dos espaços que ocupamos.
 
Para fora de nós, é pelo nome que chamamos tudo o que está ao nosso redor. Os objetos, as instituições, os lugares da cidade e do campo, os ambientes públicos e privados, não estão por aí soltos, jogados ao vento, dispersos, sem raízes ou vínculos com a comunidade. Para cada uma dessas coisas há um nome salvaguardando a sua unidade, marcando e fazendo anotações sobre o seu próprio percurso. Sua presença, então, não é decorativa. Sua razão de ser não se resume a uma mera formalidade. Sua existência não é fruto de uma mera estratégia de marketing ou de um jogo do mercado.
 
Desandei a falar sobre nomes, não por conta de uma crise existencial ou coisa parecida. Desandei a falar sobre isso, assim, logo de cara, porque foi exatamente essa a reflexão que eu fiz quando soube da notícia de que estão tentando mudar o nome da Escola Estadual Professor Natalino Ferreira Mendes, em funcionamento há algumas décadas, em Cáceres-MT, minha cidade natal.
 
Em artigo publicado neste Jornal, na data de 21 de dezembro de 2020, tentando me somar a tantos outros colegas professores que já haviam se posicionado a respeito, e apostando em um debate plural, democrático e propositivo sobre um projeto nacional para a educação brasileira, manifestei-me contrariamente à militarização das escolas da rede de educação básica do Estado de Mato Grosso, apontando, dentre outros, o caso da Escola Estadual Professor Natalino Ferreira Mendes, bem como, manifestei-me contrariamente à chamada gestão compartilhada entre corporações policiais e a Secretaria Estadual de Educação (SEDUC).
 
Em resumo, na ocasião daquele artigo, pretendi colocar sobre a mesa, para juntos ponderarmos, o fato de que quando falamos em educação para os estudantes das escolas públicas, a “disciplina”, como solução salvadora, é sempre lembrada, e, quando falamos em educação para os estudantes que frequentam outros espaços, digamos, mais privilegiados, as soluções são sempre outras, variadas. Cultura, música, literatura, teatro, esportes, intercâmbios, viagens, terapeutas, aulas de reforço, curso de idiomas, aulas de dança, xadrez... são as opções que se abundam para esse último público. Pretendi, também, na ocasião daquele artigo, dentro do possível, colocar sobre a mesa, para juntos ponderarmos, que tipo de educação nós queremos, e, igualmente, quais são os efeitos produzidos a partir dessa “escolha”, suas implicações e desdobramentos.
 
Faço esse breve resgate, pois não podemos olhar para o que está acontecendo, sem compreender suas condições de produção, seus vínculos constitutivos, tendo em vista que a tal proposta de mudança do nome da Escola Estadual Professor Natalino Ferreira Mendes, que anda circulando por aí, apareceu e foi no vácuo de sua militarização. Esse está sendo o mote para a mudança. Se não for o principal, pelo menos, diria que está sendo uma “janela de oportunidades” para que isso aconteça.
 
Mas, frente a essa iniciativa, que também me contraponho, é importante nos perguntarmos: há uma justificativa para a mudança? E se houver, qual seria o respaldo social para fazê-la? Há fundamentos críveis para isso? Ou, como está na moda, fundamenta-se, exclusivamente, no absurdo, no ódio, ou em um revanchismo vazio? Que caminho é esse que estamos percorrendo? Que caminho é esse que querem nos impor “goela abaixo”?
 
Como comentei, sobre a militarização da escola e as falsas equivalências propagandeadas como verdades absolutas – cito algumas: “com disciplina e ordem garantimos a aprendizagem dos estudantes”; “com índices elevados de aprovação dos estudantes, em provas de ranqueamentos, garantimos uma formação educacional cidadã” – eu já havia me manifestado. Porém, agora, não obstante a militarização anunciada da Escola Professor Natalino Ferreira Mendes, ainda há a ideia de mudar o seu nome. Tenho alguns palpites: militarizada a escola, talvez queiram militarizar o seu nome, submetê-lo à sua hierarquia, aos seus ditames, colocar um outro que seja subordinado e mais apropriado  à “nova ordem”; ou talvez queiram escolher um cuja “relevância” esteja atrelada à corporação responsável pela administração da escola, independentemente dos laços existentes entre o nome atual e o território. Pelo visto, nada pode escapar. A “operação” [essa de militarização da escola] precisa ser completa, de modo a não deixar vestígios de que um dia existiu um outro horizonte, um outro jeito de se contar e perceber o passado e de se refletir sobre o presente.
 
A turma do “deixa disso” pode questionar: para que tanto estardalhaço em torno de um nome? É só um nome mesmo, e nada mais! Longe de um alarmismo sensacionalista de minha parte, não podemos nos descuidar da preservação de nosso patrimônio humano, cultural e histórico; não podemos desprezar nossas particularidades, características e traços; não podemos permitir que vozes isoladas, muitas vezes “anônimas”, apaguem a  trajetória de tantos homens e de tantas mulheres que por aqui viveram – cacerenses de nascimento e/ou de coração – doando-se, trabalhando arduamente, contribuindo com sua sensibilidade e criatividade, em meio à escassez, para a construção de nossa cidade e de nossas cidadanias. A eterna vigilância é a condição indispensável para que aquilo que somos [o que nos constitui] e para que aquilo que conquistamos [a duras penas] não pereça, não retroceda.
 
Primeiro levam nossos nomes, depois nossas referências e, por fim, nossas memórias. Resta-nos o caos: um cotidiano uniformizado, sem cores e sabores, sem temperos e cheiros; um cotidiano sem esperanças, em que as nossas potencialidades para deslocar a mesmice são censuradas e a nossa história é revisada.  
 
Natalino Ferreira Mendes* VIVE!
 
*Natalino Ferreira Mendes, nasceu em 1924, em Cáceres-MT. Teve uma atuação apoteótica no campo das letras como poeta, professor, historiador e membro da Academia mato-grossense de Letras.
José Ricardo Menacho

por José Ricardo Menacho

Professor do Curso de Direito da UNEMAT/Cáceres
Mestre em Direito pela UFPR e Doutorando em Linguística pela UNEMAT
Escritor e Cronista
+ artigos

Comentários

inserir comentário
7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por Aristides da silva, em 09.02.2021 às 10:39

    A vida, obras, exemplo, cultura e o desprendimento do Grande Mestre NATALINO FERREIRA MENDES, hão de perpetuar por muitos e muitos anos! Parabéns pelo brilhante depoimento relacionado ao nosso ilustre conterrâneo.

  • por João Evangelista de Melo Neto, em 09.02.2021 às 06:31

    Em meio aos tantos absurdos que presenciamos no atual momento da vida política e social do país, a mera mudança do nome de uma escola pública poderia parecer assunto de menor importância. Mas o Professor José Ricardo Menacho demonstra que não, que a alteração de uma denominação tradicional significa a ruptura de uma identidade que está intimamente ligada às coisas, às pessoas e aos lugares em que vivemos. O pretexto da abominável militarização da escola, por si só uma violência contra o pluralismo de pensamentos que as escolas públicas devem abrigar, não pode justificar essa quebra de identidade. Tenho orgulho de dizer que estudei na Escola Estadual Monteiro Lobato, o "Estadão" de Taubaté. Sentir-me-ia triste se aquele educandário um dia, pela ação de governantes temporários e inescrupulosos, viesse a se chamar general fulano de tal, da mesma forma com que Manuel Bandeira demonstrou sua indignação com a mudança dos nomes tradicionais dos logradouros públicos no Recife. Particularmente, penso que, se os mandatários de plantão querem militarizar o ensino público, que construam novas escolas e dêem a elas as denominações que bem entenderem, mas não maculem a memória e a identidade construídas no passado.

  • por Olga Castrillon, em 08.02.2021 às 23:22

    Em tempos fluidos, de ações imediatistas, o nome se dissolve nessas ações esdrúxulas. Com elas, esvai-se a memória, afinal, q sentidos teria?! O texto nos traz esta e outras reflexões sobre a transitoriedade do tempo-espaço da história. Valeu, poeta!!!

  • por Suelena Gattass Dias, em 08.02.2021 às 15:46

    Bravo!!!! Claro, preciso e coerente... O que está por trás disso? Qual é o objetivo maior?

  • por Joelma Aparecida Bressanin, em 08.02.2021 às 14:29

    Considero as questões que apresentou muito importantes de serem debatidas e concordo com seu posicionamento, José Ricardo. Invés de tentarem apagar a memória daqueles que contribuiram com nossa cidade, deviam se ocupar de coisas que fossem de fato relevante para nossa Educação. Mais do que nossa indignação, eles merecem nosso repúdio!

  • por Paulo Júnior, em 08.02.2021 às 11:26

    Apoio integralmente as palavras do ilustre mestre José Ricardo, considerando ainda que o inestimável professor Natalino também prestou relevantes serviços à comunidade cacerense atuando como chefe de gabinete na Prefeitura Municipal de Cáceres/MT por muitos anos, orientando e assessorando vários prefeitos, sendo na época considerado a segunda pessoa depois do prefeito da cidade. Trocar simplesmente o nome da escola que leva seu nome é antes de mais nada uma retumbante canalhice, desculpem a veemência mas é a definição mais educada que tenho neste momento para classificar a ideia.

  • por ASCENCIO FRANCO DOS SANTOS, em 08.02.2021 às 11:09

    há uma justificativa para a mudança? E se houver, qual seria o respaldo social para fazê-la? Há fundamentos críveis para isso? Ou, como está na moda, fundamenta-se, exclusivamente, no absurdo, no ódio, ou em um revanchismo vazio? Que caminho é esse que estamos percorrendo? Que caminho é esse que querem nos impor “goela abaixo”? É meu caro amigo, sempre leio seus escritos, fico por horas olhando para horizonte, sempre vejo opor do sol, lindo e maravilhoso, mas essa onda conservadora e sem conhecimento algum de História, precisa acabar, retirar, remover nomes. Polícia precisa é acabar com o crime, que aliás se fossem competentes, já não haveria crime, pois temos tantas policias. Haverá resistência, pois o que pretendem fazer é uma violência descarada.

 
Sitevip Internet