Artigos / Wilson Fuá

23/04/2020 - 10:35

A carência de líderes na política

                 É fácil distinguir um líder em relação a um tarefeiro. O primeiro tem a habilidade de mandar e o outro de obedecer.

          O tarefeiro nunca fará sucesso quando exercer a função de liderança, pois terá dificuldade em influenciar os seus comandados.

            Um político sem liderança terá péssima ação de comando, e por isso, coloca um Secretário que não teve um mísero voto, mas fala mais que o “Homem da Cobra”, e lhe dá a função, para ficar choramingando a crise do passado e assim, o povo esquecer os projetos de futuros.

            Sempre que duas ou mais pessoas se reúnem com o mesmo proposito, caberá apenas a uma delas liderar, e o líder assumirá espontaneamente por ter influências verdadeiramente sobre os outros, e essa característica é que distingue o líder aos demais, pois está sempre disponível a todos, e para assim proceder, requer uma doação total das suas ações aos outros e às vezes em detrimento da sua vida pessoal.

               Durante as campanhas, os Programas de Governo, na verdade, são “propagandas enganosas”, pois não define a origem dos recursos que financiarão a execução de sonhos, pois na maioria das vezes os candidatos são enganadores, pois o mundo para eles aparece em perspectivas diferentes, ou seja, ele vê o mundo de acordo com a ótica dos seus marqueteiros, e não vê o estado como ele é, por isso, agem como um cão amestrado e limpinho, que dá espetáculo nos circos da vida, pois são treinados para repetir gestos definidos pelo marketing político, e através da “decoreba”, são habilitados a representar no teatro político e repassar para a população os Programas de Governo montados para vender fantasias, pois não cabe no orçamento do município, a execução de todas despesas que ele pactua com o povo durante a campanha .

                 Quantos candidatos são eleitos para comandar um governo, por causa da sua aptidão técnica revelada no desempenho das suas tarefas durante a sua vida profissional, mas quando eleito não tem autoridade para exercer o poder, pois não tem habilidade de fazer as pessoas comandadas a obedecê-lo, pois a sua influência pessoal é quase nula, por falta de liderança e por falta de decisão.

                   O grande líder para ser reconhecido como tal, antes de assumir as suas atitudes no poder, tem que ter a habilidade nata, que o faz tratar o povo assim como gostaria de ser tratado, porque sem o poder, voltará a ser um cidadão comum, como todos nós.

                  Hoje, os políticos têm que dizer a todos, e em todos os instantes, que são honestos e competentes. Por isso, gastam muito recursos públicos para fazer propagandas das suas ações, simplesmente para dizer que está fazendo aquilo que é o seu dever fazer.

           Por estar no poder, é obrigação agir corretamente, mas se tiver que lembrar ao povo que age assim, então não esta sendo totalmente honesto e competente.
Wilson Fuá

por Wilson Fuá

É Especialista em Recursos Humanos e Relações Políticas e Sociais
wilsonfua@gmail.com
+ artigos

Comentários

inserir comentário
0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet