Artigos / Juliana Giraldini

30/09/2019 - 09:30

Chuva

Cá estou sentada na varanda.
De propósito, coloco a cadeira bem na beiradinha pro vento espirrar a água da chuva nas pernas, nos óculos, no rosto.
Viva.
A gente olha pro quintal, pro pasto, pras árvores e o marrom vai saindo.
Escorre.
Corre o João de Barro. O Sabiá. O Bem-te-vi.
O barro sabe o bem de verter.
Derrama.
O cheiro é impressionante. Inebriante.
Se a vida tem cheiro, é o de chuva.
Saio da cadeira, aventureira.
Vou no quintal. A chuva lava.
O corpo, a alma.
Limpa, rega.
E me sinto planta.
Estava seca e nem sabia.
Começo a rir. Uma síntese da foto.
Fotossíntese.
Olho para meus pés.
Raiz. E a cada chuva enraizo mais.
Na terra. Minha terra. Minha casa.
A chuva na fazenda faz a gente brotar de certezas.
Do novo ciclo.
É a aula de que tudo renasce.
Da tempestade, a bonança.
E aprendo o que a chuva traz:
a paz do recomeço.
E choro.
De alegria.
Virei chuva.
E não sabia.
Juliana Giraldini

por Juliana Giraldini

é publicitária há 20 anos. Ou como ela mesma gosta de falar, é Publicitária Rural ou Fazendeira Criativa. Há 1 ano trocou São Paulo por Cáceres e se diverte criando Logotipos e vacas leiteiras, alimentando galinhas e Redes Sociais, e fazendo queijo, geleias e Anúncios.
+ artigos

Comentários

inserir comentário
0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet