Artigos / Dirceu Cardoso Gonçalves

05/09/2017 - 11:33

O rádio no telefone celular

Enviar para um amigo Imprimir
              Apesar do surgimento de novas alternativas de lazer e comunicação, o rádio continua como o meio de difusão de massa mais rápido e abrangente, a verdadeira reserva estratégica nacional. A política de distribuição dos canais adotada no Brasil fará desaparecer o tradicional rádio de AM, mas fortalecerá o de FM. A maioria dos aparelhos hoje disponíveis no mercado não traz mais a faixa de AM; em compensação, o FM hoje está presente em 97% dos telefones celulares produzidos no mundo. No Brasil, no entanto, mesmo com o recurso dentro do aparelho, apenas 34% deles saem de fábrica habilitados para sintonizar o rádio diretamente e sem custo de pacote de internet. As entidades representativas do rádio se movimentam para exigir que todos os aparelhos tragam a sintonia aberta e há, em tramitação na Câmara, projeto de autoria do deputado Sandro Alex (PSD-PR), que pretende tornar a medida obrigatória.

               A idéia é, além da razão puramente econômica – pois habilitar o chip de rádio não tem custo adicional – disponibilizar o rádio gratuitamente a todos os usuários de celulares, levando em consideração que a radiodifusão é um serviço de utilidade pública, tanto para o lazer quanto para apoio à comunidade nos mementos de dificuldade ou sinistros. Com a sintonia aberta, o dono do aparelho não precisa ter crédito e nem mesmo conta telefônica ativa para poder ouvir as emissoras de rádio de sua região. No México já está em vigor lei semelhante à que se pretende implantar aqui e nos Estados Unidos há movimento no mesmo sentido. A medida conta com o apoio da União Internacional de Telecomunicações (UIT), agência da ONU especializada em tecnologias de informação e comunicação.

               A maioria dos telefones que hoje trazem o rádio habilitado é da faixa de menor preço e sem internet. O movimento pretende que todos saiam de fábrica com o recurso ativo pois o recurso via internet, além de ter custo, depende da disponibilidade e intensidade do sinal, o que não ocorre com as transmissões "no ar". Segundo dados da Agência Nacional de Telecomunições (Anatel), temos hoje no Brasil 242,1 milhões de aparelhos celulares, o que equivale a 1,16 aparelho por habitante. Com o rádio habilitado, eles prestarão o serviço que durante anos foi executado pelos rádios portáteis, de pilha. E com a vantagem de o usuário não ter o desconforto de portar algo mais, pois o celular já está no seu bolso...
Dirceu Cardoso Gonçalves

por Dirceu Cardoso Gonçalves

Tenente – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)
+ artigos

Comentários

inserir comentário
0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet