Plantão:
Mato Grosso é usado como caminho para tráfico humano de bolivianos
NOTÍCIA »

Voltar a página anterior     Versão impressa       A[+]    A[-]  

Mato Grosso é usado como caminho para tráfico humano de bolivianos

Foto: Ilustração
Mato Grosso é porta de entrada de migrantes e imigrantes e muitos são vítimas do tráfico de pessoas. A afirmação foi feita pela secretária adjunta de Direitos Humanos, Vera Araújo, durante abertura do I Seminário Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. O evento é considerado pelos organizadores como “um marco referencial ao enfrentamento desse problema no Estado”, onde também ocorrem casos de aliciamento de pessoas.

Vera Araujo citou caso de milhares de bolivianos, que entram no Brasil pela região de Cáceres, no Oeste do Esado, e vão para São Paulo, onde são explorados pela indústria têxtil. Segundo ela, a questão merece muito cuidado por parte das autoridades e definiu que há urgência pela situação geográfica e extensão territorial do Estado, que soma quase 1 milhão de quilômetros quadrados.

Na semana passada, 24 Horas News revelou que pelo menos seis jovens entre 18 e 24 anos, residentes em Cuiabá, já teriam sido “vendidas” para outros países. Duas das meninas de 19 anos, no entanto, chegaram a viajar. Uma delas, uma estudante de economia foi para Belo Horizonte, em Minas Gerais. A outra, uma estudante de enfermagem, ficou em Natal, no Rio Grande do Norte. As duas conseguiram escapar dos bandidos. A noticia mostrou uma forte ação dos chamados “cafetões do tráfico”.

Dados da OIT apontam que cerca de 350 mil bolivianos vivem na capital paulista. Poucos em situação regular e milhares em privação de liberdade por terem contraído dívidas com seus empregadores. Uma situação que se reflete também com brasileiros em diversas outras atividades em todo o país, tanto em área urbana como rural.

O coordenador nacional do Programa de Combate ao Trabalho Escravo, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Luiz Antônio Machado, explicou que anualmente 2,4 milhões de pessoas no mundo são vítimas do tráfico humano para trabalhos forçados. Ele pontuou que a atividade gera um lucro de 32 bilhões de dólares/ano.

Luiz Machado ministrou a palestra de abertura no Seminário e observou que a instalação do Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas é um avanço porque contribui para descentralizar as ações do Governo Federal. “O Tráfico de pessoas tem características próprias em cada região e precisa de ações locais de prevenção e repressão”, esclareceu.

A coordenadora do Programa de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, do Ministério da Justiça, Mariana Oliveira, traçou um panorama do tráfico humano e apresentou as ações do Governo Federal nesse enfrentamento e também os desafios a serem vencidos. Ela classificou como urgente a tipificação do crime de tráfico de pessoas como tal, caso contrário eles não aparecem nas estatísticas porque são tipificados como exploração sexual ou trabalho escravo. “A exploração sexual e trabalho escravo passam antes pelo tráfico de pessoas”, argumentou

Por: Redação 24 Horas News em 29/11/2012 18:34:18

» Mais notícias
Detran-MT começa a implantar novo sistema de prova prática monitorada
Comando Regional homenageia PMs que se destacaram no primeiro semestre deste ano
Professores da Unemat tem teses de doutorado publicadas em Portugal
Juiz contraria Tribunal e volta exigir revista intima
Ex-secretário de Obras de Indiavaí responderá ação de improbidade administrativa


» COMENTE AQUI

Nome: *
E-mail: *
Cidade:
Comentário:  *Excedido o numero de caracteres.
Digite o texto da imagem ao lado:
 

» COMENTÁRIOS

Nenhum comentário nesta notícia.

 

   
Copyright © 1997 - 2014 • Jornal Oeste • Todos os direitos reservados
online