Plantão:
Ser solidário é ser feliz
Minha Opinião » Wilson Carlos Fuá

Voltar a página anterior Ser solidário é ser feliz

Ser solidário é ser feliz

Diante da velocidade e do culto ao instantâneo, a vida passa muito rápida e individualizada, todos estão impacientes e menos tolerantes: nos relacionamentos, no trabalho, no trânsito, até nos meios religiosos.

Hoje somos consumidos pelas rotinas, não sobra tempo para o exercício da reflexão tendo como objetivo maior, desenvolver o poder de entender as pessoas como seres que tem emoção, sentimentos, as pessoas estão presas as coisas imediatadas e materiais como modelo novo dos veículos, novos lançamentos no mundo da modismos ou de nos objetos eletrônicos.

A insensibilidade de entender o próximo é adiada; a compaixão deixa de ser praticada. É cada um cuidando de si próprio, tem pessoas que vivem em fuga permanente da aproximação de alguém necessitado, tem medo de ajudar em função da dependência do outro.

O homem é um ser social, nasceu para viver em sociedade. Detém as faculdades necessárias para relacionar: a reflexão, o sentimento de amor e a palavra que completa a aproximação. Só o auxilio mútuo, leva mais facilmente ao progresso espiritual e material.

A maior prova de amor ao próximo é ajudar antes da humilhação de receber um pedido de uma pessoa fragilizada. Como é bom perceber a necessidade de um amigo ou de um colega.

Às vezes vemos uma pessoa a nos rodear e jogando indiretas e sem coragem de pedir uma ajuda, mas em função da velocidade da nossa defesa egoísta de fugir da aproximação das pessoas fragilizadas, estamos fugindo de nós mesmos: “lá vem ele de novo com os seus problemas”.

O exercício de aproximação sempre se aprende com o próximo, fazendo o exercício da reflexão, logo descobriremos que não estamos sozinhos, e a ajuda ao próximo, começa dentro da nossa própria família, auxiliando a um filho ou parente que está com o coração fragilizado, sendo que a partir daí, passamos a ter experiência para lidar com os outros, e criar aliados para quando for nosso esse momento, termos com quem contar ou a quem recorrer.

É recorrente no meio político ouvir esta frase: “se ele estivesse precisando, teria pedido”. Para muitas pessoas pedir, é a pior situação que a vida lhe impõe.

Tem pessoas que não sabem pedir um favor; ou pedir um aumento salarial; ou mesmo pedir uma ajuda momentânea.

E para muitos que não sabem pedir ou infelizmente por nunca ter recebido ajuda e nunca terem sidos valorizados, transformam-se em pessoas introspectivas e facilmente perdem o entusiasmo pela vida.

A grande verdade, é que vivemos e convivemos com pessoas que realmente não sabem pedir nada, e nós nem imaginamos o que se passa com elas, as vezes estão prestes a se suicidar e nós no exercício da individualidade nem percebemos. As pessoas não percebem porque estão condicionadas a uma vida de competição e de vencer sempre, mesmo que seja fora da ética ou desonestamente, elas ficam alienadas no mundo do consumismo e desfazendo das conquistas provisórias, vivendo em função apenas das coisas que são dos seus interesses, as que vão trazer lucro ou fazer parte seu bem estar, ou mesmo em alguma coisa a mais que lhe interessa. O lado humano nem sequer é notado.

Quando se faz bem ao próximo, o maior beneficiado é o próprio benfeitor, são energias infinitas do bem, essa ação retorna na forma de magia de viver e ser feliz. Ao fazer uma caridade em seguida passamos a sentirmos a leveza na nossa alma. Fazemos o bem para o nosso próprio bem, e não para que a sociedade nos note!
Dar é mais gratificante do que receber.

Dois tipos de pessoas tem o maior medo que o seu segredo seja revelado: “aquelas que doam por amor, e aquelas que roubam”.

Quantas pessoas que vivem de cabeça baixa como se tivessem procurando alguma coisa no chão, e esquecem que Ele esta lá no auto. A solidão que muitas vezes dói mais que a própria fome pode ser resolvida apenas com uma palavra amiga, apenas isso, essas pessoas estão sofrendo de tristeza da alma, e esse desalento pode fazê-la desistir da vida.

E a maioria dessas pessoas tem o coração tão frágil e muita fome de afeto. E ao nosso lado sempre tem uma ou mais pessoas assim, às vezes uma pequena palavra dará luz e vida para esses seres humanos que são vistos como infinitamente só e esmorecido.

Aqueles que negam uma ajuda em forma de palavras, tem instalada a miséria da indiferença na sua própria alma. Uma pessoa solitária e deprimida vive no limite entre a vida e a morte, é como se fosse uma bomba programada para explodir a qualquer momento.

Na verdade quantas vezes nós dizemos: será porque ele não me pediu ajuda? Com certeza teria ajudado.

Parece simples, mas não é. Esquecemos que para aqueles que estão no fundo do poço, pedir ajuda depois de tantas recusas é uma ação difícil e humilhante.

A todo instante dá para perceber que vivemos em uma sociedade cruel e marcada pela violência da indiferença, que agride os mais fracos e que termina sendo o produto responsável por muitos outros crimes. Será que um dia a sociedade saberá olhar as desigualdades e saberá acolher os sofredores que são possuidores da doença do século:
A TRISTEZA DA ALMA?

Cabe a todos nós retirarmos essa cegueira que constitui a paisagem da hipocrisia, e darmos a grande esperança para os necessitados de afeto e compreensão.

Nome:
Email:
Cidade:
Comentário:
Digite o texto da imagem ao lado:

 

» COMENTÁRIOS

Nenhum comentário neste artigo.

 


Ouvidor Geral da SINFRA/MT

Mais artigos deste autor(a)
» O mundo da política rasteira
» A essência da vida
» Projeções fantasiosas
» Aprender a se doar
» Estágios sequenciais da vida
» A capacidade de assumir
» Administrar os contrastes
» Correndo contra o tempo
» Um pacto com a realidade
» A Copa em Cuiabá
» Doações de campanha
» Andar em círculos
» O poder de superação
» Os políticos estão lançando moda
» Toda escolha tem um preço
» A Copa e a realidade das obras
» Caminhos imaginários
» Fim de um ciclo
» Realização profissional
» O vazio de um dia cheio
» Controle físico e espiritual
» Realidade casual
» Os donos do trânsito
» A melhor escolha
» Controle sobre os impulsos
» Em busca da perfeição
» A copa e os caroneiros
» O mundo ilusório da politica
» Educação é responsabilidade dos pais
» Filhos da rua
» A política e os homens de boa vontade
» Vossa excelência o politico
» A satisfação de viver
» Grandes mudanças
» As ações políticas no Estado
» Os partidos e os seus grandes negócios
» As alturas e as miniaturas
» Alienação social
» Rolezão social
» O país das ideologias similares
» Grande mudanças
» O homem da lua
» Ações proativas e necessárias
» Dias edificantes
» Pessoas transformadoras
» Só existe o momento atual
» Não desista nunca
» A melhor escolha
» Forças superiores
» O político e o frei
» Fim de ano e as novas promessas
» Agora é Natal
» As influências externas
» Presidente Dutra
» As eleições e o futuro governador
» A papuda e os seus novos condôminos
» Energias imaginárias
» Cândido Mariano da Silva Rondon
» Os hábitos exisem para serem quebrados
» A pátria foi subtraida
» Enfim, temos políticos na cadeia
» Fazer aniversário
» O bem é imensamente transportado
» Na vida tudo tem explicação
» O auxilio é uma via de mão dupla
» Validade para crédito de celular pré-pago
» Forças superiores
» A reforma que não aconteceu
» Seres condicionados
» As famílias e os velhos conceitos
» Caixa dois é única matemática inexata
» Presos em amarras invisíveis
» o sábio professor cuiabano
» Como conviver com a violência
» Estilo de vida tem preço
» As contradições políticas
» Mais médicos é cópia do Chavismo/Fidel
» Que governo desejamos para MT
» O estágio do arrependimento sempre chega atrasado
» As emendas para lamentar e orçamento para cooptar
» Somos moldados a só fazer o que dá prazer
» Cuiabá com cara de Capital
» O pensamento está entre o passado e o futuro
» Jornalismo independente
» As gargantas afiadas dos políticos
» A política tem a dimensão dos olhos da alma do povo
» O dom do desprendimento
» Existe momento certo para dizer não e sim
» Manter o equilíbrio em todos os momentos
» O poder das emendas parlamentares
» O povo e os seus políticos
» Falsa prosperidade
» Fim de noite
» A dura realidade do transporte público
» Ninguém vive no futuro
» A solidão é a maior forma de egoísmo
» Os políticos têm medo do enfrentamento democrático
» As ausências dos políticos em plenários
» Os atalhos da vida
» As decisões precipitadas da presidenta
» A geração web e as ferramentas políticas
» O maior movimento cívico do País
» A cadeira para o senado 2014 não tem dono
» Os pequenos garimpeiros de rua
» Tudo depende do sistema educacional
» o poder da autocrítica
» Conflitos existenciais
» Solidão, sai dessa
» O VLT e a tarifa
» O tudo não é só isso
» Atos atoas dos ateus
» As benzedeiras cuiabanas
» O patrono das comunicações
» A Lei da correção de incopetência
» Infinitas escolhas
» Sistema educacional familiar
» Filhos folgados, pais preocupados
» Evoluções obrigatórias
» Dê mais vida a sua vida
» A Copa do Mundo e os bagres ensaboados
» A felicidade é um estado precário
» A Copa do Mundo da sua vida
» Ser prefeito
» Cápsulas Sociais
» Muito prazer, eu sou cuiabano
» Cuiabá da minha infância
» Verba indenizatória
» Por uma noite a mais
» As bolsas e a linha da pobreza
» De vida a sua vida
» Os quebradores de paradigma
» A difícil escolha do óbvio
» Os benefícios dos auxílios mútuos
» O importante é decidir
» O egoísmo de viver só
» Vida real ou virtual
» A escolha e a renúncia
» Opções da vida
» O poder da autocritica
» A Mangueira contou e cantou o nossa historia
» Cáceres é fantástica
» Nada na vida vem de graça
» Solução mundial no combate às drogas
» De João a João, o político enche o papo
» Cada coisa no seu devido lugar
» Fim do ano e o verniz do brilho social
» O Natal presente em nossas vidas
» Dante e o Parque Mãe Bonifácia
» Os efeitos colaterais da política
» Não desarme o seu poder de conquistas
» Escultor da Ximbuva
» Geração do imediatismo
» O culto ao instantâneo
» Viver sem ansiedade
» Cuiabá e seus hábitos noturnos
» Faxina existencial
» Viver por viver
» Viver objetivamente
» A difícil escolha do óbvio
» Viver sem referências
» As verdades das urnas e os seus testemunhos
» A difícil escolha do óbvio
» A satisfação de comer depende da primeira mordida
» Faça os seus próprios milagres
» Seja um colecionador de voto de confiança
» Os recursos virão de Brasília
» Os sonhos e a realidade
» Referências ilusórias
» Aprendiz de si mesmo
» Você já escolheu seu candidato?
» Os políticos fabricados pelo mareketing
» O medo de mudar atrasa sua evolução
» São coisas da política
» A felicidade é um status precário
» Viver sem ansiedade
» Os planos dos políticos e as verdades do povo
» Eleição e mendigos das urnas
» Como é bom saber viver
» Os milagres interinos
» Você é a favor ou contra o controle eletrônico no trânsito
» Ser solidário é ser feliz
» O verdadeiro jornalismo
» As provas da vida
» Para quem irá o seu voto?
» Eleições 2012 – Para quem irá o seu voto?
» O PT e as concessões
» Viver por conveniência
» Painel político
» Muitos preferem andar nu
» Dante e o Parque Mãe Bonifácia
» A embriaguez social
» A embriaguez social
» A coligação é a mãe da governabilidade
» Os objetivos não são alvos imaginários
» Geração perdida
» Viver na simplicidade
» A Lei da palmada
» O Mensalão e as galinhas dos pés queimados
» A vida como ela é
» O poder dos nossos desejos
» A felicidade adiada
» Friendly fire na política
» Que vida é essa que levamos?
» A cerveja e a Lei Geral da Copa
» Quantos caminhos teremos que seguir ?
» Brincando de ser administrador público
» O político congruente
» A vida como ela é
» A luta contra o câncer
» A gota que faltava
» O político e o vidente
» Opções na vida
» Estabelecer limites aos filhos
» A Copa do Mundo e os políticos mequetrefes
» A felicidade usa máscara
» Os legisladores que não legislam
» Ano Novo e surpresas novas
» Natal e os presentes
» DR. Sócrates exemplo aos jovens?
» Um século depois, será que nada mudou ?
» O Dia do Atleta
» Político: profissão ou missão?
» Foi a tua fé que te curou
» Vidas surpreendentes
» A tristeza da alma
» A ganância e a política
» Os idosos no Brasil
» Filhos folgados, pais preocupados
» Os 1.000 dias que restam para a AGECOPA
» O mundo das drogas
» Os bailes em Cuiabá
» Os franqueados da pólítica
» Em nome da governabilidade
» Jornalismo puro ou irreal
» Zé sem bolo e sem flor
» Os diplomados e a zona de conforto
» A juventude e a velhice
» A sua arma é o seu o seu voto
» Solidão, sai dessa!
» Lago de Manso
» Como vencer a inveja
» A violência tomou conta de Cuiabá
» O prazer do trabalho
» O pior dos crimes
» A saúde de Cuiabá é "fantástica"
» Os Mestres Cuiabanos
» Saber escolher a profissão
» AGECOPA se esqueceu de Cáceres
» Conclusões precipitadas
» O medo de mudar atrasa a sua evolução
» Cuiabá de todos nós
» Atravessando as provas da vida
» Não desista de você mesmo
» A Agecopa e a Copa do Mundo de 2014
» Como é bom sentir-se util entre os iguais
» Os entulhos eleitorais
» Os Motoboys e Copa do Mundo
» Lembranças do Dermat
» Cuiabá e a modernização de controle eletrônico do trânsito
» Cururu, Siriri e a Copa do Mundo
» O crack e a Copa do Mundo
» Cuiabá uma cidade sem líder
» Marechal Rondon:
» O poder dos nossos desejos
» Você sabe quem são seus auxiliares?

 

   
Copyright © 1997 - 2014 • Jornal Oeste • Todos os direitos reservados
online