Plantão:
Combustão humana
Minha Opinião » Airton Reis

Voltar a página anterior Combustão humana

Combustão humana

Vítima da crueldade brutalizada de cada dia. Vítima da violência armada contra a mesma cidadania. Vítima do corpo carbonizado numa pizzaria. Vítima em grito derradeiro ouvido pela vizinhança. Vítima em sangue encontrado no local da ocorrência. Vítima nas laudas de uma mesma evidência. Vítima sem qualquer clemência.

Vítima da mesma decadência das virtudes e dos valores. Vítima das senhoras e dos senhores legisladores inoperantes na urgência do novo Código Penal condizente com a realidade de uma pátria infestada pela desigualdade. Vítima nas margens distanciadas pela mesma fatalidade sem qualquer parágrafo e sem nenhum travessão.

Lenha do mesmo osso fragmentado na derradeira fornalha incandescente. Cordão sem pescoço. Anel sem dedos. Bracelete sem braços. Cremação aos pedaços ou esquartejamento parcial?

Mais do que um inquérito policial. Mais do que uma manchete de jornal. Mais do que um indicativo agravante da sociedade esfacelada pela indiferença. Mais do que a ausência num credo ou crença. Mais do que uma ofensa consumada em fogo e fumaça. Mais do que uma ameaça sem qualquer pedido de desculpa. Mais do que a força bruta em vantagem masculina. Mais do que uma esquina sem bueiro. Mais do que a chama instantânea de um isqueiro.

Execução sumária ao raiar do dia. Cuiabá maculada pela covardia. Cuiabá defasada no quesito da segurança pública institucional. Cuiabá citada em noticiário nacional. Cuiabá da rua com nome de general. Cuiabá do córrego transformado em esgoto em conseqüência do mesmo crescimento populacional sem qualquer planejamento efetivo em ação. Cuiabá do “lenhador” foragido procurado. Cuiabá do assassinato qualificado. Cuiabá do verso publicado em condolência.

Cuiabá da combustão humana sem o fundamental direito do corpo presente em funeral cristão. Cuiabá da combustão humana agonizante diante da nação republicana. Cuiabá da combustão humana sem qualquer poesia advinda da paisagem urbana. Cuiabá da combustão humana sem cardápio e sem prato principal. Cuiabá da combustão humana nas imediações da área central.

Cuiabá da combustão humana no mesmo sertão do desbravador Paschoal Moreira Cabral, antes, durante e depois de qualquer parlamento. Cuiabá da combustão humana nos anais da imprensa livre de qualquer esquecimento. Cuiabá da combustão humana num mesmo tempo repleto de feras investidas em requintadas formas de matar. Cuiabá da combustão humana descrita em opinião poética além de um olhar.

Lágrimas de pesar em mais de uma face oculta ou indeterminada. Justiça na mesma balança e na mesma espada embainhada!

Nome:
Email:
Cidade:
Comentário:
Digite o texto da imagem ao lado:

 

» COMENTÁRIOS

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Oeste. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Jornal Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
josé manuel (cuiabá mt) | 2012-02-08 22:43:46
parabeniso ao jovem poeta, pela cronica centrada,equilibrada, com críticas bem fundamentadas, demonstrando assim ter nível em seus comentários. ... parabens ! ! !
JOSÉ (Cuiabá) | 2012-02-06 18:25:32
Poeta de altíssimo nível, brilhante!!! Usa o cotidiano, a dor, as mazelas da sociedade para fazer suas críticas bem fundamentadas... parabéns!

 


é poeta em Cuiabá.

Mais artigos deste autor(a)
» Setembro dos sete palmos
» Entre pedras: Os pedreiros!
» Bolero republicano
» BENEDITO PEDRO DORILEO – ACRÓSTICO
» GOTA D’ÁGUA
» Marinar, assar e servir!
» SÃO LUÍS DE CÁCERES – ORAÇÃO
» Será a tua vez Marina!
» ADAUTO DIAS DE ALENCAR (10.08.1931-16.10.2013) – ACRÓSTICO
» Eduardo Campos: Chamado e escolhido!
» Prato do dia...
» São Benedito de Cuiabá
» MILTON NICODEMOS (1944-2014) - ACRÓSTICO
» Postulados & Postulantes
» Costumes dos acostumados
» Nosso pai
» Faixa & Fachada
» ANNA DIRCE NEGRO VIEIRA (1920-2014) – ACRÓSTICO
» Vida longa à Democracia!
» Métrica da eleição nacional
» A Cadeira da Fé, da Esperança e da Caridade
» Ser mão da Caridade
» Cara ou Coroa?
» Paz na Terra
» Sujeitos de Suassuna
» Estigma eleitoral
» Tereza de Benguela
» Gatilhos em versos
» Dia “D”: Decisão!
» Quarto, sala e sacada
» Bandas e bandoleiros
» Receituários cidadãos
» Nós podemos!
» Terceiro ou quarto?
» Donas...
» Dantes...
» Álgebra e Geometria das urnas...
» Sabedoria!
» Pátria viva! Estado imortal!
» Sociedade utilitária: Vamos integrar!
» Dilma, de novo?
» Mato Grosso: Letras por letras
» Passado, ontem. Futuro, depois. E o presente?
» Fuleco em tempo real
» Copa, cara e coroa
» Do atacado ao varejo...
» Canindé em seis versos soletrados
» Rufem os tambores!
» Ultimato cidadão!
» Vela verde, flor azul e fita amarela...
» “Sempre em flor, Mato Grosso!”
» Cunhados a ferro...
» Toca do tatu
» Fardos das fardas
» Papuda: Cama e mesa!
» Ópera da operação!
» Cáceres: União! Força! Ação!
» Mirassol D'Oeste: Tu és!
» Filhos de Cuiabá
» Jair Rodrigues: Samba do adeus...
» Lua de Jaci: Vamos avistar!
» Dois dedos de prosa...
» Escambo eleitoral...
» Despertar poético nas escolas
» FREI GRINGNION: FRATERNO CRISTÃO!
» Lua de sangue!
» AGNALDO RODRIGUES DA SILVA – ACRÓSTICO
» Aquém das urnas; além das ruas: Lá vem...
» Ovos em eclosão: Hexa Brasil, campeão?
» Debalde eleitoral
» Cuiabá em versos irmanados
» ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE POETAS - ACRÓSTICO
» IVENS CUIABANO SCAFF – ACRÓSTICO
» Oráculo cidadão...
» Dona Dirce Castrillon com Jesus
» Dia Internacional da Mulher: Palmas poéticas!
» Cinzas...
» Praças e pedestres ocasionais. Nada mais!
» Rainha, operária e zangão...
» Era uma vez José...
» Paradeiro da Princesa (D. Isabel) – Perguntamos!
» Pela ordem, a poesia!
» Seis parágrafos sem travessão
» CÍRCULO UNIVERSAL EMBAIXADORES DA PAZ BRASIL – ACRÓSTICO
» Quem ou quantos serão por nós eleitores?
» Casa Barão de Melgaço: Presente!
» DOM FRANCISCO DE AQUINO CORRÊA (1885-1956) – ACRÓSTICO
» Gatunos por plebes...
» Geometria da Paz – Dez Anos (2004-2014)
» Era uma vez Josué...
» Descaminhos da lei...
» FLÁVIO CARDOSO GARCIA – ACRÓSTICO DO ADEUS
» 2014: Abre-te janela!
» Um conto de réis...
» Dois mil e catorze: Avante Brasil!
» Amar o amor
» 20.12.2013
» Natal do Mestre Jesus
» Os entes e o enteado...
» Coração de José...
» EDUARDO LEITE MAHON - ACRÓSTICO
» Quem é que...
» Diário da liberdade
» Lá vem o vagão...
» Os bichos da vez...
» Poetas dias e noites...
» Adeus deputado!
» É na escola...
» Candidaturas...
» Tuberculose no ar...
» Vinicius vive!
» “La belle et la bête féroce”
» A classe, a ordem, a família...
» A bola, o bolo e a cereja...
» Sávio sabiá...
» Bancada e arquibancada...
» Tango político, fado social...
» Carnaúba no Ceará! Carandá em Cuiabá!
» Minerva não é sabão!
» Sá, Sé, Si, Só, Surdos...
» Três tempos...
» A corte, o cortejo e a cova
» A “fortiore ratione”
» Ultrajados, sitiados e armados
» Três em três
» São Luís de Cáceres
» Pátria brasileira: Paz obreira!
» Dona democracia...
» Na tampa da Papuda
» Barão de Melgaço: Patriota valoroso!
» A fuga, as rusgas e as pulgas
» Brasilândia, Brasiléia, Brasil!
» Oito do oito
» Cinco por cinco
» Fé face a face
» Georgium e George
» Dominguinhos: Xodó do Brasil
» Pavimento verde, amarelo, azul e branco
» Vozes vezes e votos
» Cuiabá: Dez centavos...
» Brasil: Balas e balelas...
» Centavos coletivos
» MARCOS COUTINHO (1966-2013) - ACRÓSTICO
» Sufrágio à vista!
» Ambiente: princípio, meio e fim
» A morte de Marta
» Tiques e Taques
» Atalhos por bugalhos
» Bolada boliviana
» Shrine Brasil Central: Pedra fundamental!
» Araceli do Espírito Santo
» Frutos da paz: nós servimos
» Divino Pantanal
» Pronomes possessivos
» Ser mãe é...
» Comentários e comentados
» Ciranda Cirandinha: Vamos Cirandar!
» “Paz através do servir”
» Males do mesmo bem
» Eixos ou desleixos?
» Cartilha “in” decente
» Criatórios e criaturas
» Esperança na educação pública!
» Entre padres, um poeta...
» Em nome da paz
» Filhos das drogas
» Paz presente!
» Dona Cuiabá e seus dois moinhos
» Cuiabá em versos públicos
» Cuiabá meu amor!
» Rumores de guerra...
» Compasso Pascal
» Três por um...
» As trincheiras, as eiras e as beiras
» Onde está a poesia?
» Lição da lama
» Pela frente: Vem e vai!
» Acomodações...
» Poesia: Bom Dia nacional!
» Fé, Esperança, Caridade: Francisco Humanidade!
» Pedro e Paulo
» Contagem de um conto real
» Help: PM em ação!
» Eis a mulher!
» Mulher: Dia, mês e ano
» Fumaças e fumaça...
» Chafurdar: Verbo transitivo indireto...
» Mulher: Templo da vida humana
» Urnas vindouras
» Mato Grosso: Centro Oeste volver!
» Nota de repúdio a violência de cada dia
» Crônicas do caos (II)
» Concurso de poesia internacional da paz
» 33 por 13
» Cuiabá entre as trinta...
» PADRE NAZARENO LANCIOTTI (1940-2001)- ACRÓSTICO
» Pazear é verbo!
» José depois de Drummond
» O trombone, o surdo e o violão
» Oráculo analítico brasileiro
» Voz verde e rosa
» Domingueira
» Renuncia anunciada
» Brasil em cantos mil
» “Renancracia”: O que será?
» Pela ordem: Cultura da paz em ação!
» Paz no Coração da América do Sul
» Reinado de Momo
» Barbearia do Barbosa
» A luva e o dedal
» Ponteiros políticos
» Pepitas, pipas e petecas
» Tupi canibal, São Paulo capital!
» Igualdade mesmo que tardia
» Reticências republicanas...
» “Crack entre aspas”
» Alamedas edificadas
» Imposto incontido
» Coração do Centro Oeste
» Fábula de um filhote
» Três facadas!
» Dois mil e quantos?
» ANTÔNIO ALVES DA COSTA GARCIA (1942-2012)
» Natal do Mestre Jesus
» Carta de Cuiabá
» Redondeza redundante
» Abecedário da Bandeira
» Manoel Mato-grossense de Barros
» Fusão: Cultura e Turismo? Não!
» Pedros, pedras e pau-brasil
» As penas do cocar
» A Mãe da Luz
» Arquiteto do Brasil
» Educação republicana
» Raimundo Cândido dos Reis (1913-1965) Acróstico
» Isabel verá!
» Justa partilha; perfeita produção!
» Contos e cantos dos Palmares
» Brasil dos baleados
» Pantanal sem proa
» Asas avocadas
» Fados fardados
» Livro: Vivas!
» Responsa democrática
» Professor do saber
» Latitude e longitude
» Maria Sophia Leite
» Hosana Hebe!
» Dama, dominó e os moribundos
» O filme, a foto, a fúria, a fé
» Chove chuva, em bis e refrão!
» Abre-te verso
» Chove chuva, em bis e refrão!
» Quatro por cinco
» Quem vem cá (sic)?
» Coronel José Meirelles 1923-2012
» Fuga fugaz
» Pontos e vírgulas
» Caetano em 70 cantos
» Jorge do Brasil Amado
» Cama, mesa e banho
» Rosas de Noel
» Pátria Brasil: Urgente!
» Civitate Civilitate
» Humaitá: “Humanité”
» Honra é dever!
» Voto volver!
» Ricardo em Réquiem
» A Guarânia do engano
» Ivo Vignardi em desenlace cristão
» Divino Sócrates – Primeira Parte
» “Électeur échaudé”
» Além Castro...
» Lápides
» Surdina social...
» Adendos da Rusga – Segunda Parte
» Adendos da Rusga – Primeira Parte
» Especulações sem fim
» Luz do Mundo
» Réquiem para João Marinho Filho (1950-2012)
» Nove talentos
» Rei centenário
» “Digne caresse!”
» Festa do tatu bolita
» “Double et faux”
» Tinoco com Tonico
» Millôr do Brasil Fernandes (1923-2012)
» Pátria dos poetas – Vinicius de Moraes (I)
» Cardápio democrático eleitoral
» Oitenta vezes Chico
» Ideal de Drummond (1902-1987)
» Camões em cantos
» Rola pátria brasileira!
» Cuiabá: Copa, cozinha, construção!
» Onde está a poesia?
» Eis a mulher!
» Água da Terra
» Elas por elas
» Cândidas e Cândidos latinizados
» Cristo Retentor
» O coração de Eloá
» Oxalá Bahia
» Dilmalândia aqui e acolá
» Combustão humana
» Natal de Natalino Ferreira Mendes
» Cidadão celestial, Mestre imortal
» Filho do Pai
» Trinca de reis
» Emilia de Cáceres Darci
» Trezentas e tantas execuções...
» LUIS ANTONIO DIAS DOS SANTOS
» Um só Brasil
» Feras em fúria
» Entre graves e agudos
» Gritos na Galeria
» Ela, eles e nós
» Noventa Primaveras
» Edito urbano
» Cesário Neto em Boletim
» Causa e coisa pública
» Alvorada solidária
» Moringa, marmelo e pilão
» Argamassa nos ramais
» Mãe Mato Grosso
» República grandiosa
» Ela, ele e a lei

 

   
Copyright © 1997 - 2014 • Jornal Oeste • Todos os direitos reservados
online