Plantão:
Rolezinho no shopping
Minha Opinião » Dirceu Cardoso Gonçalves

Voltar a página anterior Rolezinho no shopping

Rolezinho no shopping

Os “rolezinhos’, surgidos em dezembro último, como alternativa à repressão aos “bailes” que os jovens realizavam nas ruas da periferia paulistana, podem, agora, ser apossados pelos desordeiros que, meses atrás, tomaram de assalto as manifestações populares pacíficas e as transformaram em atos de barbárie. Tanto que a própria presidente Dilma Rousseff já se interessou pelo assunto. E tem de se interessar, mesmo! Não pode deixar que, pela ausência da autoridade, a ordem pública seja colocada abaixo e a sociedade, mais uma vez, sofra os prejuízos.

A proibição dos eventos em via pública não é justificativa para a sua “transferência” aos shoppings ou qualquer outro estabelecimento, particular ou público, que possua alvará de funcionamento e finalidade própria. O shopping nada mais é do que um empreendimento particular, destinado à comercialização de bens e serviços, que coloca seus produtos à disposição da clientela disposta a pagar para utilizá-los. Tudo o que se pretender ali fazer de diferente é impróprio ou, pelo menos, depende da concordância e autorização dos administradores e, ainda, da comunicação às autoridades para que se cumpram as normas de segurança sobre aglomeração humana e público excedente.

Os secretários da Segurança Pública de São Paulo e Rio de Janeiro têm razão ao lembrar que a aglomeração, em área pública ou privada – shoppings, aeroportos, repartições, parques – devidamente autorizadas, por si não é caso de polícia e que, se houver tumulto, ai sim, é necessário usar a força policial. É importante, no entanto, que as autoridades, por meio dos serviços de inteligência, identifiquem os autores dos convites a eventos não autorizados e lhes apliquem os rigores da lei (a eles próprios ou a seus responsáveis, se menores) por assumirem o risco de levar grande público a um local não preparado para tanto. Nada impede, no entanto, que as prefeituras, para descomprimir a tensão, destinem áreas onde esses jovens possam se reunir, divertir e liberar suas energias. Isso pode ajudar.

O poder público, que licencia, autoriza e cobra imposto pelo funcionamento dos negócios, tem o dever de garantir condições para sua concretização. Os cínicos especialistas em sociedade, defensores dos “menos favorecidos”, que fazem seu discurso debaixo do ar-condicionado e recebem polpudos salários pagos por instituições públicas, precisam se conter. Eles já deformaram em muito a consciência do povo, impingindo-lhe a cultura dos direitos sem deveres. Deveriam, agora, como reparação, utilizar sua cultura e inteligência para disseminar princípios de cidadania e respeito, antes que seja tarde demais...

Nome:
Email:
Cidade:
Comentário:
Digite o texto da imagem ao lado:

 

» COMENTÁRIOS

Nenhum comentário neste artigo.

 


Tenente – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

Mais artigos deste autor(a)
» A segurança e a ordem pública
» A punição aos fabricantes do caos
» Socorrer as Santas Casas
» Eleição, agora é prá valer
» A jornada dos médicos
» O futebol lícito
» Brasil, candidatos e sociedade
» A mística do país do futebol
» Como é tratada a corrupção na França
» Seleção, bacanal e crise
» O salário (do policial) e a fantasia do governo
» A marolinha, o tsunami e as eleições
» A definição do que é manifestação pacífica
» O eleitor, o eleito e o ódio
» Coalizão e estelionato eleitoral
» A Copa, a autoridade e os vândalos
» As novas ferrovias. E as antigas?
» Protestos, Copa e ternura...
» 15,8%, o novo piso a negociar...
» Os sovietes tupiniquins
» Black blocs, PCC e Estado omisso...
» A Anistia, ampla, geral e irrestrita...
» O elo perdido da democracia
» Polícia, agir ou não agir...
» A guerrilha, o ônibus e a autoridade
» A tecnologia a favor do homem
» O Estado e a greve policial
» A aposentadoria do servidor público
» Quem tem medo do tigre de papel?
» A propaganda eleitoral
» A missão do médico cubano no Brasil
» Governo, povo e comunicação
» Brecar a escalada da violência
» O país sustentável e sem corrupção
» O futuro da internet
» Segurança, da Bahia para o Brasil...
» A crônica falta de efetivo policial
» A administração do patrimônio-água
» Em busca da revolução ética
» O custeio das eleições
» O dia 31 de março de 1964
» Repensando o Brasil...
» O Marco Civil das Manifestações...
» O fracasso das marchas...
» As estatais, a corrupção e a eleição
» O Estado, a polícia e as leis
» A conta de luz e as eleições
» O blocão, o poder e a moralidade
» O Estado como vilão ambiental
» Reage Brasil; ou que país é este?
» Começa um ano diferente
» A crise no STF
» O PSDB e as dívidas de campanha
» Democracia e ditadura, irmãs siamesas...
» O ativismo e o dinheiro público
» Endurecer sem perder a ternura...
» Agora, a crise automobilística
» A caça (aos pagantes) dos black blocs
» Santiago, o mártir anunciado
» O apagão e a negligência
» Encampem-se as Guardas Municipais
» A quebra da matriz energética
» Brasil, onde foi que erramos?
» O MP, das torcidas aos ‘black blocs’
» Cuidar do Brasil na Copa e... depois da Copa
» As águas e a inércia dos governos
» A estatística da violência policial
» Os alvarás de Santa Maria
» Rolezinho no shopping
» Toda denúncia exige apuração
» Legalizar a maconha. Para quê?
» As manifestações e a omissão oficial
» Água, uma questão de Justiça
» Municípios brasileiros de chapéu na mão
» Para que 2014 seja um ano bom...
» O emprego, o desemprego e a educação
» Tragédias mais que anunciadas
» Divulgar é preciso. Fiscalizar também...
» A moralidade e os tratores do PAC
» Prefeituras poderiam ter dinheiro a juro?
» Prometeu, tem de cumprir...
» As viaturas param, os ladrões agem...
» O “rolezinho” e as autoridades
» A (verdadeira) História do Brasil
» A (in)segurança nos estádios
» O legado de Mandela
» A endêmica corrupção eleitoral
» O colapso do Judiciário
» Seria a Belíndia o objetivo?
» O Real, a Petrobras e o gatilho
» A ocasião faz o ladrão...
» Papuda e a isonomia carcerária
» Brasil sem fronteiras
» O feriado de Zumbi e a lei
» A corrupção e as forças ocultas
» O poder público e a auditoria independente
» Morte em confronto é problema social
» O eficaz combate à corrupção
» Reserva afro seria o "apartheid" brasileiro?
» Risco de quebra institucional. É melhor evitar
» O conceito do cargo de confiança
» Prédios públicos, a tragédia anunciada
» O irresponsável país dos extremos
» A comilança dos políticos
» A falência do pacto social brasileiro
» Protesto e desobediência civil têm limite!
» Corrupção, a metástase nacional
» O combate ao crime organizado
» O despertar da segurança pública
» O dever de conter a baderna
» O dever de prover a ordem pública
» A desmotivação e a escalada do crime
» A falência da segurança pública
» Médicos, farmacêuticos e... curandeiros
» Outra vez, a tormenta das águas
» Prefeito, parlamentares... saqueadores do Brasil
» Minorias, coexistência e liberdades
» A ONG como válvula de corrupção
» O mensalão e o último voto
» Os anarquistas estão chegando!
» A espionagem e o boi de piranha
» Fim do voto secreto, um avanço
» O (fim do) contrabando e o Mercosul
» A trapalhada Brasil-Bolivia... Seria?
» O povo e os doutores (nacionais e importados)...
» Eleitos sem voto... Não!
» Os marajás e a administração pública
» O STF, o mensalão e o futuro
» Cartel, São Paulo como exemplo ao Brasil
» O sigilo dos bancos de dados
» A falta de médicos e a saúde
» A (falta de) transparência nos governos
» Passeatas, prendam os mascarados
» As reformas que o país exige
» Os jatinhos e a austeridade
» Volta a inflação, cai a produção
» A impatriótica campanha precoce
» Manifestantes vão “reclamar ao bispo”
» “Occupy”, as manifestações pontuais
» A vulnerável viatura policial
» “Barco Brasil” exige bons timoneiros
» A praga da administração pública
» Mensaleiros, o gigante acordou!
» Protestos exigem solução imediata e concreta
» A reforma política e a voz das ruas
» Plebiscito é cortina de fumaça
» Poderes, é preciso ouvir o povo
» Povo dá o basta á ditadura partidária
» Chega a "Primavera Brasileira"!
» Manifestações, a hora de ouvir
» A utilidade dos partidos políticos
» Manifestações violentas... Cuitado!
» O índio e o descendente de índio
» A velha luta pelo passe escolar
» Criar mais municípios é repartir a miséria
» O governo, a sociedade e o índio
» Brasil, o país do improviso
» O descaso com o bem público
» Crime: A sociedade, acuada, quer solução
» A estéril contenda hetero-gay
» Boato, a nova ameaça nacional
» MP, o atalho à democracia
» Imprensa livre, a nossa segurança
» A Constituição, inacabada e remendada
» A “bolsa crack” e o combate à droga
» O escambo de cargos e partidos
» Saúde, direito do povo... E daí?
» Educação e reeducação. Dívidas sociais...
» O cumprimento integral da pena
» A interminável seca no Nordeste
» Poderes da República, harmônicos e independentes
» O Brasil e a eleição no Paraguai
» A greve e a política partidária
» A democracia tupiniquim
» O menor, o crime e a idade penal
» A economia da marolinha e do tsunami
» O crime, o MP e a PEC 37
» Carandiru. Quem deveria estar no banco dos réus?
» A PEC e a incerteza do emprego doméstico
» Sem regulação não há solução...
» É incrível, produzir e não ter como carregar
» A bicicleta e a educação de trânsito
» O Judiciário forte e insuspeito
» O Pacto Federativo e os cifrões
» O fim do voto secreto
» O Júri ao vivo pela tv e internet
» Os royalties, os prefeitos e a educação
» A torcida (realmente) organizada
» A Venezuela sem Chávez
» O oneroso custeio dos partidos
» Os royalties e a montanha de vetos
» Campanha antecipada, inoportuna e ilegal
» Artefatos sem controle, perigo de todos os dias
» O risco da tragédia alimentar
» O veto e o buraco negro
» Sentados no barril de pólvora
» O direito de não morrer (antes da hora)
» O prefeito e o estado de emergência
» Da autonomia petrolífera à falência da Petrobras
» Facções ilegais e movimentos criminosos
» Poderes harmônicos, independentes e... sérios
» O poder de fiscalizar os estabelecimentos
» O motorista bêbado e a lei
» A chaga do serviço público
» O Poder Público e a decisão judicial
» A volta do Poder Municipal
» A economia, a inflação e a democracia
» Matar a fome e, também, libertar
» Tragédia anunciada é pura incompetência
» Lula sabia ou não sabia? Eis a questão...
» A polícia e as vítimas de confronto
» O Brasil, Chávez e o continente
» Figueiredo e o cheiro de cavalo
» 2012 e o legado do STF
» A discutível lei seca
» Com eletricidade não se brinca
» Poderes harmônicos e independentes
» Represálias à imprensa é obscurantismo
» A imprensa livre é a democracia
» Políticos errantes e (até agora) impunes
» Políticos errantes e (até agora) impunes
» São Paulo 2013
» O prostituído cargo de confiança
» A política do etanol
» A democracia e a dívida social
» Eleitos, eleitores, imprensa e... promessas
» Mensalão anula leis compradas
» A eleição e seus maus hábitos
» O novo eleitor
» O rádio, de AM para FM
» Lobato, o racismo e o preconceito
» O “caixa 2” é crime
» Os ventos da mudança política
» A crucial ressocialização do detento
» Ave Lula! “Deus” ou “rei”?
» O dinheiro da Educação
» O metalúrgico João Paulo Cunha
» Rede Social é pra ficar
» O STF, o contraditório e a sociedade
» Dilma, privatizando...
» O elo perdido da segurança pública
» A regulação e a qualidade dos serviços
» A mais importante das eleições
» O policial e os direitos humanos
» O pedestre, o ciclista e o trânsito
» Quantos vereadores eleger?

 

   
Copyright © 1997 - 2014 • Jornal Oeste • Todos os direitos reservados
online